Já ouviu falar de crononutrição?

Terapia estuda melhor horário para refeições e que tipo de alimentos consumir.

Eduardo Rauen
Compartilhe esta publicação:
Francesco Carta/Getty Images
Francesco Carta/Getty Images

É importante fazer o café da manhã e ingerir um maior número de calorias neste período do dia

Acessibilidade


A crononutrição estuda qual o melhor horário para cada tipo de refeição e os alimentos que a compõem. Sabemos que ao longo do dia, nosso organismo atua de uma determinada forma, e ao nos alimentarmos em cada período, ou seja, manhã, tarde ou noite, o alimento atua de uma maneira.

Não se trata aqui de restringir alguns alimentos e sim ingeri-los nos momentos adequados dentro das 24 horas do nosso dia.

LEIA TAMBÉM: Entenda a relação entre obesidade e câncer

Esta questão está muito ligada ao nosso ciclo circadiano, também conhecido como ritmo circadiano, que é como o nosso organismo se comporta durante todo o dia, desde o momento em que acordamos até o momento em que vamos dormir. Os diferentes tipos de luminosidades, influenciam o nosso organismo e isso causa algumas sensações diferentes como a fome e o sono por exemplo.

O nutricionista francês Alain Delabos foi quem desenvolveu essa ideia em 1942.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O gene que exerce a função na regulação do ritmo circadiano é o gene CLOCK, nome um tanto quanto sugestivo mas que remete muito ao nosso “relógio biológico”.

Alterações nesse gene (polimorfismos) podem alterar as suas funções o que acarreta mudanças comportamentais e alimentares. Por isso, conciliar nutrição e genética, faz com que o diagnóstico seja muito mais assertivo, explicando assim, as respostas fisiológicas de cada ser humano.

Para trazermos essa ideia para a prática, devemos ter em mente as particularidades e individualidades de cada pessoa. Cada ser humano reage de uma determinada forma e isso deve ser levado em conta para conseguir entender como cada um funciona, por isso a individualização sempre do tratamento.

A pergunta sempre será: o que comer e em qual momento?

Mas algumas situações são importantes para fixarmos a nossa atenção, como por exemplo: não pular o café da manhã; dormir bem, pois um sono ruim pode levar ao aumento da ingestão de alimentos e de má qualidade; e também, ingerir maior número de calorias pela manhã, pois nesse período é quando a queima de gordura é melhor e ainda, conseguimos reduzir as calorias nos demais períodos.

O importante é termos em mente que cada pessoa responde de uma forma a um determinado planejamento nutrológico. Por isso a importância da individualização e das boas escolhas dos alimentos.

Eduardo Rauen é médico nutrólogo e diretor técnico do Instituto Rauen (Instagram: @institutorauen)

Os artigos assinados são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem, necessariamente, a opinião de Forbes Brasil e de seus editores.

Compartilhe esta publicação: