IPO recorde da Ant promete elevar a fortuna de Jack Ma em US$ 27 bilhões

Wang HE- Colaborador/ Getty Images
Wang HE- Colaborador/ Getty Images

Operação também vai adicionar outros 18 nomes à lista de bilionários

O IPO recorde do unicórnio chinês Ant Group, no próximo dia 5, promete elevar a fortuna de Jack Ma, proprietário do negócio, em US$ 27 bilhões, além de adicionar pelo menos outros 18 nomes ao ranking dos bilionários, segundo os valores de ações pretendidos com a operação que vai lançar a companhia nas bolsas de Hong Kong e Xangai.

A participação de Ma na Ant (somada a outras participações que incluem o Alibaba Group) leva seu patrimônio a nada menos do que US$ 68 bilhões. Isso faz do ex-professor de inglês o homem mais rico da China, bem como o 12º mais rico do mundo, depois do cofundador do Google, Sergey Brin, de acordo com a lista de bilionários em tempo real da Forbes.

LEIA MAIS: Jack Ma vende US$ 8,2 bilhões em ações da Alibaba

O IPO de quase US$ 35 bilhões reforça a influência crescente da China na área das finanças online, um segmento em expansão. A operação também destaca a ascensão do país nos mercados de capitais internacionais em um momento em que as autoridades chinesas estão promovendo suas empresas para impulsionar os principais setores de tecnologia, como o de semicondutores, e fechar a lacuna existente com os Estados Unidos.

O grande número de novos bilionários do continente também escancara a riqueza da China – e da Ásia. O país, responsável pela segunda economia do mundo, é o lar do maior número de bilionários do mundo, depois dos Estados Unidos. E entre os novos bilionários chineses criados por meio do IPO da Ant está o CEO do Alibaba, Daniel Zhang, cuja participação na empresa é de US$ 1,5 bilhão.

A iniciativa chega num momento conflituoso entre os EUA e a China, e antes da eleição presidencial norte-americana, em 3 de novembro. Empresas chinesas com listagens nos EUA, incluindo Alibaba e NetEase, fizeram operações secundárias em Hong Kong no ano passado em meio às ameaças da administração de Donald Trump de retirar da bolsas qualquer empresa chinesa que não cumprisse os padrões norte-americanos de contabilidade.

Companhias chinesas em busca de avaliações mais altas no mercado doméstico em comparação com o mercado dos EUA já haviam migrado nos últimos anos. Esse grupo também inclui a fornecedora de painéis solares Trina, a gigante de publicidade Focus Media e a fabricante de equipamentos médicos Mindray.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).