Rio Alto Energia prevê movimentar cerca de R$ 805 milhões em IPO

Amanda Perobel/Reuters
Amanda Perobel/Reuters

A companhia possui três usinas solares em operação que somam cerca de 93 megawatts em capacidade

O grupo Rio Alto Energia, com negócios em geração renovável e comercialização de eletricidade, prevê movimentar cerca de R$ 805 milhões em uma IPO (oferta inicial de ações) na bolsa brasileira neste mês.

A projeção considera a média da faixa indicativa de preço da oferta, entre R$ 15,87 e R$ 20,63 reais por ação, segundo prospecto preliminar divulgado pela companhia na noite de ontem (5).

LEIA MAIS: Renova Energia dispara 8% após balanço e Cielo sobe quase 7% com aprovação do WhatsApp Pay

O preço por papel deverá ser fixado em 26 de abril, de acordo com cronograma indicativo do IPO, que prevê início das negociações com as ações da companhia no Novo Mercado da B3 na mesma data.

O IPO, que tem sido coordenado por XP Investimentos, BTG Pactual, Bradesco BBI e Credit Suisse, prevê a distribuição inicialmente de 44,1 milhões de ações ordinárias da Rio Alto. O volume inicial pode ser ampliado em até 20% com adicionais para atender eventuais excessos de demanda e em até 15% com um lote suplementar.

A Rio Alto pretende usar 90% dos recursos da oferta para realização de investimentos em ativos de geração solar em construção e desenvolvimento, enquanto o restante iria para reforço de caixa e projetos futuros. Atualmente, a companhia possui três usinas solares em operação, do complexo Coremas, na Paraíba, que somam cerca de 93 megawatts em capacidade.

A Rio Alto ainda tem empreendimentos em construção que contemplam a expansão das instalações na Paraíba e agregariam mais cerca de 136 megawatts, além de outros projetos em carteira para usinas solares em Pernambuco e na Paraíba que totalizam 1,5 gigawatt.

O objetivo da elétrica é negociar a produção dos empreendimentos em construção e futuros projetos no chamado mercado livre de energia, onde grandes clientes como indústrias podem negociar diretamente contratos de suprimento e preços com empresas do setor elétrico.

Nos projetos Coremas IV a Coremas VII, já em implantação, a energia foi vendida em contratos (PPAs) fechados com a estatal paranaense Copel que têm duração de 15 anos e início a partir de janeiro de 2022 e janeiro de 2023.

VEJA TAMBÉM: CPFL Energia vê lucro crescer 15% no 4° trimestre com acordo por risco hidrológico

A companhia também assinou outros dois contratos para venda de energia que totalizam volume de 45,8 megawatts médios e prazo de 15 anos a partir de 2024, em negócios fechados com a estatal Furnas, da Eletrobras, e a comercializadora de energia Tradener.

“O preço médio (média simples) para os primeiros 10 anos de suprimento no âmbito dos dois PPAs acima mencionados fica acima de 135 reais/MWh, patamar que a companhia acredita poder assegurar capacidade de oferecer retornos atrativos aos acionistas”, apontou. A Rio Alto espera atingir até 2023 a marca de 1,8 GWp em capacidade instalada de geração solar com seus projetos.(Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).