Brasil tem desemprego de 14,7% no trimestre até março, diz IBGE

Amanda Perobelli/Reuters
Amanda Perobelli/Reuters

Esta é a maior taxa de desemprego e o maior contingente de desocupados na série histórica do IBGE

O primeiro trimestre de 2021 terminou com a maior taxa de desemprego e o maior contingente de pessoas sem trabalho na série histórica, em meio aos desafios impostos pela piora da pandemia de Covid-19 no Brasil.

Os dados divulgados hoje (27) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mostraram que a taxa de desemprego chegou a 14,7% nos três meses até fevereiro, de 13,9% nos últimos três meses de 2020.

LEIA MAIS: Boom de MEIs acompanha desemprego na pandemia, revela Nubank

O resultado da taxa apurada pela Pnad Contínua ficou em linha com a pesquisa da Reuters.

Além de tradicionalmente o mercado de trabalho ser o último a se recuperar em tempos de crise, ele ainda enfrentou em março o recrudescimento das infecções e mortes por coronavírus, que tornaram o Brasil o epicentro mundial da pandemia naquele momento.

Em meio à complicada situação sanitária e ao cancelamento do Carnaval e de outros eventos, o primeiro trimestre terminou com 14,805 milhões de desempregados, renovando o maior contingente da série histórica da Pnad Contínua iniciada em 2012.

O número representou um aumento de 6,3% sobre outubro a dezembro e de 15,2% sobre o mesmo período de 2020.

“Esse aumento da população desocupada é um efeito sazonal esperado. As taxas de desocupação costumam aumentar no início de cada ano, tendo em vista o processo de dispensa de pessoas que foram contratadas no fim do ano anterior. Com a dispensa nos primeiros meses do ano, elas tendem a voltar a pressionar o mercado de trabalho”, explicou a analista da pesquisa, Adriana Beringuy.

Já a ocupação caiu entre janeiro e março. O total de pessoas ocupadas no primeiro trimestre registrou perda de 0,6% sobre outubro a dezembro, somando 85,650 milhões de trabalhadores, o que marca ainda uma queda de 7,1% sobre o mesmo período do ano passado.

LEIA MAIS: IPCA-15 tem maior nível para maio em 5 anos

O nível de ocupação caiu 0,5 ponto percentual no período, a 48,4%, permanecendo abaixo da marca de 50% desde o trimestre encerrado em maio do ano passado, o que indica que menos da metade da população em idade para trabalhar está ocupada no país.

“Essa redução do nível de ocupação está sendo influenciada pela retração da ocupação ao longo do ano passado, quando muitas pessoas perderam trabalho”, disse Beringuy, observando que os impactos da pandemia só ficaram visíveis no mercado de trabalho no final de março do ano passado.

O número de empregados no setor privado com carteira de trabalho teve queda de 1,1% nos três primeiros meses do ano sobre o trimestre anterior, enquanto os que não tinham carteira assinada recuaram 2,9%.

No período, eram ainda 23,837 milhões os trabalhadores por conta própria, uma alta de 2,4% sobre outubro a dezembro.

A pesquisa destacou ainda outro recorde, com um total de 5,970 milhões de pessoas desalentadas, aquelas que desistiram de procurar trabalho devido às condições estruturais do mercado.

O total de pessoas subutilizadas, que são aquelas desocupadas, subocupadas por insuficiência de horas trabalhadas ou na força de trabalho potencial, também foi recorde no primeiro trimestre, ao chegar a 33,2 milhões.

LEIA MAIS: 5 maneiras de superar a frustração enquanto procura por um emprego

Na véspera, o Ministério da Economia informou que o Brasil abriu 120.935 vagas formais de trabalho em abril, no resultado foi o mais baixo do ano. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).