Com algoritmos e sem interferência humana, fundos multifatores crescem no Brasil

Fundos baseados em modelos matemáticos superam rentabilidade de principais benchmarks brasileiros

Artur Nicoceli
Compartilhe esta publicação:
GettyImages
GettyImages

Fundos baseados em modelos matemáticos superam rentabilidade de principais benchmarks brasileiros

Acessibilidade


Nos últimos 75 anos de história da NBA, principal liga de basquete profissional dos Estados Unidos, o Los Angeles Lakers protagonizou 39 finais de campeonatos e o Boston Celtics esteve em 33. Os números são resultado, entre outros fatores, de equipes formadas por ótimos atletas, uma estratégia que é replicada em outro segmento e por atores distantes dos jogos da NBA: os fundos multifatores.

A comparação é parte da estratégia adotada pela Avantgarde Asset para explicar o funcionamento do seu fundo. “Para se formar um time de qualidade é preciso escolher entre os mais altos, mais fortes e mais rápidos, criando, assim, provavelmente uma das melhores equipes. A gente usa o mesmo raciocínio na seleção de ações para construir o portfólio”, explica Luciano França, sócio-fundador da gestora de factor investing que escolhe ativos campeões para a composição da carteira. O diferencial? A tomada de decisão é realizada por algoritmos, sem qualquer interferência humana no processo. Métricas como o ROE (Retorno sobre o Patrimônio), alavancagem, histórico de resultados, e relação risco-retorno são alguns dos pontos considerados pelos modelos.

Outra grande diferença entre um gestor que utiliza seu conhecimento pessoal e a equação matemática utilizada pela Avantgarde é que “nós conseguimos ter uma base científica e histórica de 70 anos de cada papel, podendo levantar quais são as melhores ações em diversos contextos. Esse cálculo se torna quase impossível para um gestor. Os multifatores também não sofrem com o viés comportamental humano, que acaba impactando negativamente os investimentos”, avalia França. “O meu fundo é como se eu tivesse vários analistas ao mesmo tempo.”

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

No mercado quantitativo, existem dois estilos de cálculos, o primeiro são os black box, em que o gestor não consegue mostrar quais os algoritmos utilizados, apenas afirmando tratar-se de modelos matemáticos baseados em fundamentos teóricos e acadêmicos, obrigando o investidor a acreditar no resultado. O segundo são os glass box, em que é possível identificar as metodologias que justificam as escolhas por cada ação. França argumenta que essa é uma das maiores dúvidas entre os investidores: quais as técnicas utilizadas por trás do multifator.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Voltando à analogia ao esporte, enquanto as equipes precisam pagar grandes quantias para substituir um atleta, os algoritmos fazem isso conforme programado e gratuitamente. O fundo da Avantgarde troca de 7 a 10 ações por mês, processo chamado de balanceamento de carteira. Já os três fundos multifatores da Mint Capital podem fazer substituições de acordo com a estratégia de cada ativo “Atualmente, temos mudanças mensais, trimestrais e anuais”, conta Cássio Beldi, sócio-gestor da gestora.

As alterações são pensadas com o objetivo de superar a rentabilidade dos principais benchmarks do mercado, como o Ibovespa ou o Índice Brasil (IBX). O fundo da Avantgarde oferece um resultado de 24,65% conta apenas 2% do ibx. Já na V8 Capital, o fundo multifator V8 Veyron Smart Beta, apresentou rentabilidade de 21,66% + Ibovespa no primeiro trimestre deste ano, segundo o sócio da gestora, Gilberto Barbosa.

Para Rogerio Oliveira, diretor de risco e modelagem da Constância Investimentos, a principal vantagem por trás dos multifatores é a objetividade, ou seja, não ser afetado “pelo desempenho desfavorável de ativos e não possuir apego por exposições”, além da abrangência na quantidade de informações processadas.

“Para se realizar nossa análise, seria necessário juntar dezenas de analistas para cobrir quase 300 empresas”, comenta Oliveira, acrescentando ainda que a velocidade na incorporação das informações é outro ponto positivo desses fundos, “Quando a CVM [Comissão de Valores Mobiliários] publica um documento, ele é importado automaticamente e todos os indicadores de risco são calculados até o dia seguinte para entendermos qual deve ser o peso da empresa no portfólio”, explica.

Considerando as diferenças técnicas dos fundos multifatores, a Forbes conversou com quatro gestoras para entender a atuação de cada uma e seus produtos.

  • GettyImages

    Mint Capital

    Fundos multifatores: Mint Batalha Value FIA, Mint Multi-Fator FIA e Mint Partnership FIA
    Quantidade de ativos por fundo: até 40 ações
    Balanceamento de portfólio: depende da estratégia e pode ser mensal, trimestral e anual.
    Índice de referência: o Value segue o IBX, já o Multi e o Partnership se espelham no Ibovespa
    Diferencial no mercado: “Aqui na Mint montamos uma estrutura para não só nos blindarmos das emoções humanas, como também explorarmos os vieses comportamentais do mercado. Em primeiro lugar, antes de sermos gestores, somos investidores. Priorizamos o retorno do investimento ante captação e crescimento”, explica Ricardo Dittmer, sócio da Mint Capital.

  • GettyImages/Teera Konakan

    Constância Investimentos

    Fundos multifatores: Constância Fundamento FIA, Constância Brasil FIA, Constância Absoluto FIM e Constância Icatu Previdenciário
    Quantidade de ativos por fundo: aproximadamente 100 ações
    Balanceamento de portfólio: a cada 15 dias
    Índice de referência: Ibovespa
    Diferencial no mercado: “A Constância possui em seu banco de dados todos os balanços das empresas de capital aberto do Brasil que existem ou já existiram, sendo mais de 15 mil empresas no total, o que nos dá uma capacidade de simular e testar diferentes modelos com mais de 20 anos de dados”, explica Rogerio Oliveira, diretor de risco e modelagem da Constância Investimentos.

  • GettyImages

    V8 Capital

    Fundos multifatores: V8 Veyron Smart Beta
    Quantidade de ativos por fundo: entre 20 e 25 ações
    Balanceamento de portfólio: mensal
    Índice de referência: não há
    Diferencial no mercado: “Por sermos um fundo quantitativo, não significa que estamos usando algoritmos de negociação para comprar ou vender automaticamente, até mesmo fazendo operações rápidas. O quantitativo nos ajuda a montar o portfólio com a exposição que entendemos adequada. Hoje, nossa exposição inclui uma alocação estrutural de 15% a 20% do patrimônio líquido em empresas do S&P 500”, comenta Gilberto Barbosa, sócio da V8 Capital.

  • GettyImages/Photographerismylife

    Avantgarde Asset

    Fundos multifatores: Avantgarde Multifatores FIA
    Quantidade de ativos por fundo: 50 ações
    Balanceamento de portfólio: mensal
    Índice de referência: IBX
    Diferencial no mercado: “Eu crio um portfólio que preza pela consistência de resultados ao longo de qualquer fase econômica. Ele não vai ser o maximizador de retorno, mas será de resistência. Nesse contexto, quando um investidor procura o fundo para investir, ele precisa ter um viés com um prazo relativamente razoável de investimentos. Eu não consigo te precisar o que vai acontecer com a Bolsa nos próximos 12 meses e ninguém sabe disso, mas a gente consegue dizer que temos 90% de chance de superar o IBX e nos próximos 36 meses a chance fica em 99%”, comenta Luciano França, sócio-fundador da Avantgarde Asset.

GettyImages

Mint Capital

Fundos multifatores: Mint Batalha Value FIA, Mint Multi-Fator FIA e Mint Partnership FIA
Quantidade de ativos por fundo: até 40 ações
Balanceamento de portfólio: depende da estratégia e pode ser mensal, trimestral e anual.
Índice de referência: o Value segue o IBX, já o Multi e o Partnership se espelham no Ibovespa
Diferencial no mercado: “Aqui na Mint montamos uma estrutura para não só nos blindarmos das emoções humanas, como também explorarmos os vieses comportamentais do mercado. Em primeiro lugar, antes de sermos gestores, somos investidores. Priorizamos o retorno do investimento ante captação e crescimento”, explica Ricardo Dittmer, sócio da Mint Capital.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: