Preços de petróleo avançam 3% com previsão de melhora na demanda dos EUA

O Brent avançou  US$1,59, ou 2,3%, para fechar em US$ 70,63 o barril.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Christian Hartmann/Reuters
Christian Hartmann/Reuters

O petróleo dos EUA avançou US$ 1,81, ou 2,7%, para fechar a sessão em US$ 68,29 o barril

Acessibilidade


Os preços do petróleo avançaram 3% hoje (10), recuperando-se de perdas recentes diante de sinais de aumento da demanda de combustível nos Estados Unidos, apesar da alta de casos de Covid-19.

O Brent avançou  US$1,59, ou 2,3%, para fechar em US$ 70,63 o barril e o petróleo dos EUA avançou US$ 1,81, ou 2,7%, para fechar a sessão em US$ 68,29 o barril.

LEIA MAIS: Petrobras vê exportação de petróleo estável em 2021 apesar de queda de vendas à China

Ambos os contratos recuaram cerca de 2,5% ontem (9), e a última semana marcou a maior queda em meses, com as infecções aumentando nos maiores consumidores de petróleo do mundo.

“Prever oscilações de preços de curto prazo tornou-se extremamente difícil devido ao árduo processo de prever o impacto da variante Delta na demanda global futura de petróleo, especialmente em países como a China, onde os dados são muito menos transparentes do que os dos EUA“, disse Jim Ritterbusch, presidente da Ritterbusch and Associates LLC em Galena, Illinois.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A rápida disseminação da variante Delta do coronavírus levou os casos e hospitalizações nos Estados Unidos a uma alta em seis meses.

Ainda assim, o crescimento do emprego nos EUA e a crescente mobilidade impulsionaram o consumo de gasolina até agora em 2021, disse a Administração de Informações de Energia dos EUA em uma previsão mensal. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: