Confiança do consumidor dos EUA se estabiliza em setembro

Mas consumidores continuam a ter uma visão sombria das perspectivas em meio ao salto da inflação.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Jeenah Moon/Reuters
Jeenah Moon/Reuters

Feira de rua próxima à Times Square, em Nova York

Acessibilidade


A confiança do consumidor nos Estados Unidos se estabilizou no início de setembro depois de recuar no mês anterior para o nível mais baixo em quase uma década, mas os consumidores continuam a ter uma visão sombria das perspectivas em meio ao salto da inflação, mostrou uma pesquisa hoje (17).

A Universidade de Michigan informou que seu índice de sentimento do consumidor subiu para 71 na primeira metade de setembro, de 70,3 em agosto – nível mais fraco desde dezembro de 2011. Economistas consultados pela Reuters projetavam uma leitura de 72.

LEIA MAIS: Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

A avaliação sobre as condições atuais caiu ainda mais, a 77,1, de 78,5 em agosto, enquanto o índice de expectativas futuras da pesquisa foi a 67,1, de 65,1, que havia marcado o patamar mais baixo desde 2013.

“A forte queda em agosto do sentimento do consumidor acabou no começo de setembro, mas o ganho pequeno ainda significa que os consumidores esperam as perspectivas econômicas menos favoráveis em mais de uma década”, disse em comunicado o diretor da pesquisa, Richard Curtin.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A visão dos consumidores para a inflação permanece elevada. A perspectiva de inflação em um ano ficou em 4,7% este mês, igualando a leitura de julho, que havia sido a mais elevada desde 2008, de 4,6% em agosto. A perspectiva de cinco anos, por sua vez, permaneceu em 2,9%. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: