IGP-10 passa a subir 1,79% com impulso de commodities

As acelerações nos preços do minério de ferro e da soja foram um dos principais responsáveis pelo resultado do índice.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
David Gray/Reuters
David Gray/Reuters

Entre as commodities que influenciaram o IGP-10, está o minério de ferro (que foi de -19,28% para 24,56%)

Acessibilidade


O IGP-10 (Índice Geral de Preços-10) iniciou 2022 sob influência de importantes commodities no atacado e subiu 1,79% em janeiro, depois de recuar 0,14% em dezembro, informou a FGV (Fundação Getulio Vargas) hoje (17).

No primeiro mês do ano, o IPA (Índice de Preços ao Produtor Amplo), que mede a variação dos preços no atacado e responde por 60% do índice geral, teve alta de 2,27%, contra queda de 0,51% em dezembro.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

“As acelerações observadas nos preços do minério de ferro (de -19,28% para 24,56%) e da soja (de -3,41% para 2,92%), itens de maior peso no índice ao produtor, orientaram o avanço da taxa do IPA, índice com maior influência sobre o IGP-10″, explicou em nota André Braz, coordenador dos índices de preços.

Entre os grupos componentes do IPA, o destaque ficou com as Matérias-Primas Brutas, que saltaram 5,43% em janeiro, deixando para trás a queda de 3,78% registrada no último mês de 2021.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Mas o IPC-10 (Índice de Preços ao Consumidor), que responde por 30% do índice geral, viu a alta desacelerar para 0,40% em janeiro, de 1,08% em dezembro.

O grupo Transportes passou a cair 0,26% neste mês, após saltar 2,49% em dezembro, refletindo queda de 1,61% nos preços de combustíveis e lubrificantes.

VEJA TAMBÉM: Atividade econômica do Brasil cresce em novembro no ritmo mais forte desde fevereiro, aponta BC

Já o INCC (Índice Nacional de Custo da Construção) teve alta de 0,50% no período, depois de subir 0,54% em dezembro.

O IGP-10 calcula os preços ao produtor, consumidor e na construção civil entre os dias 11 do mês anterior e 10 do mês de referência.

Compartilhe esta publicação: