Petrobras eleva diesel em 8% para distribuidores e gasolina tem alta de 4,85%

Combustível teve elevação para R$ 3,61 por litro.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

Após aumento da Petrobras, o diesel passará de R$ 3,34 para R$ 3,61 por litro

Acessibilidade


A Petrobras informou que aumentará os preços do diesel nas refinarias em 8% a partir de amanhã (12), enquanto a gasolina vendida às distribuidoras terá aumento médio de 4,85%, de acordo com nota publicada pela companhia hoje (11).

O diesel passará de R$ 3,34 para R$ 3,61 por litro, enquanto a gasolina subirá de R$ 3,09 para R$ 3,24 por litro. Os preços atuais estão nos maiores patamares nominais desde pelo menos meados de 2019, segundo números da Petrobras compilados pela Reuters, com contribuição das cotações do petróleo e do câmbio.

LEIA TAMBÉM: IPCA sobe 10,06% em 2021 e estoura meta com maior resultado dos últimos seis anos

“Após 77 dias sem aumentos, a partir de amanhã a Petrobras fará ajustes nos seus preços de venda de gasolina e diesel para as distribuidoras”, disse a companhia em nota.

A alta nos combustíveis, importante fator para a inflação ter ficado acima da meta do governo brasileiro em 2021, ocorre em momento em que os preços do petróleo Brent são cotados em torno de US$ 82 o barril, com alta de mais de 5% em janeiro.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Esses ajustes são importantes para garantir que o mercado siga sendo suprido em bases econômicas e sem riscos de desabastecimento pelos diferentes atores responsáveis pelo atendimento às diversas regiões brasileiras: distribuidores, importadores e outros produtores, além da Petrobras”, disse a companhia.

A Petrobras não consegue atender todo o mercado de combustíveis do Brasil, e importadores têm importante participação, o que exige que valores estejam na paridade de importação.

Com o ajuste, as defasagens de preços locais em relação à paridade de importação diminuirão, disse o presidente da Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom), Sérgio Araújo.

“As defasagens serão diminuídas, mas continuarão… Os preços das commodities estão subindo”, disse ele, lembrando que a diferença antes do reajuste era de -6% para a gasolina e de -10% para o diesel.

Já a Petrobras reiterou em nota seu compromisso com a prática de preços competitivos e em equilíbrio com o mercado, “acompanhando as variações para cima e para baixo, ao mesmo tempo em que evita o repasse imediato para os preços internos, das volatilidades externas e da taxa de câmbio causadas por eventos conjunturais”.

As ações preferenciais da Petrobras aceleraram alta após o anúncio do reajuste. Por volta das 13h15, subiam 1,5%, enquanto o Ibovespa avançava 1%.

Segundo a Petrobras, considerando a mistura obrigatória de 27% de etanol anidro para a composição da gasolina comercializada nos postos, a parcela da empresa no preço ao consumidor passará de R$ 2,26, em média, para R$ 2,37 a cada litro.

No caso do diesel, considerando a mistura obrigatória de 10% de biodiesel, a parcela da Petrobras no preço ao consumidor passará de 3,01 reais, em média, para 3,25 reais a cada litro na bomba.

O valor nos postos também depende de tributos e das margens de distribuidores e revendedores.

Compartilhe esta publicação: