Vazamento de dados de clientes coloca nova pressão sobre Credit Suisse

Os papéis do segundo maior banco da Suíça, pressionados por escândalos administrativos e o prejuízo de 1,6 bilhão de francos suíços em 2021, caíam 3,09% às 14h.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Arnd Wiegmann/Reuters
Arnd Wiegmann/Reuters

O Credit Suisse rejeitou as acusações de irregularidades.

Acessibilidade


O órgão de fiscalização financeira da Suíça informou hoje (21) que estava em contato com o Credit Suisse depois que a imprensa publicou resultados de investigações sobre o banco, revelando um vazamento de dados de milhares de suas contas.

Uma pessoa vazou informações sobre contas que foram mantidas no Credit Suisse das décadas de 1940 a 2010 para o jornal alemão Sueddeutsche Zeitung. A reportagem alega, entre outros pontos, que alguns clientes do banco violaram direitos humanos, enquanto outros eram empresários alvos de sanções.

“Estamos cientes da reportagem”, informou um porta-voz da Autoridade Supervisora ​​do Mercado Financeiro da Suíça (FINMA). “A conformidade com os regulamentos contra lavagem de dinheiro tem sido o foco de nossas atividades de supervisão há anos”, acrescentou.

Veja também: BC registra vazamento de dados de 2,1 mil chaves Pix sob responsabilidade da Logbank

O Credit Suisse rejeitou as acusações de irregularidades.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O jornal norte-americano The New York Times publicou que os dados vazados estão relacionados a mais de 18 mil contas que, em conjunto, detêm mais de US$ 100 bilhões.

Os papéis do segundo maior banco da Suíça, que já estavam sob pressão após uma série de escândalos relacionados a sua administração – além do prejuízo de 1,6 bilhão de francos suíços sofrido em 2021 –, tinham queda de 3,09% às 14h (horário de Brasília).

“O Credit Suisse rejeita veementemente as alegações e insinuações sobre as supostas práticas comerciais do banco”, disse o Credit Suisse em comunicado divulgado na noite de ontem (20) em resposta às reportagens.

“As matérias apresentadas são predominantemente históricas… E as contas dessas matérias são baseadas em informações parciais, imprecisas ou seletivas retiradas do contexto, resultando em interpretações tendenciosas da conduta empresarial do banco”, completou o comunicado.

Veja também: Como saber se seus dados foram vazados e aumentar a proteção

O banco disse que recebeu “várias consultas” da imprensa nas últimas três semanas e revisou muitas das contas em questão.

“Aproximadamente 90% das contas analisadas estão encerradas hoje ou estavam em processo de encerramento antes do recebimento das consultas da imprensa. Mais de 60% foram encerradas antes de 2015″, afirmou a instituição.

“Das contas ativas restantes, estamos confiantes de que a devida diligência apropriada, revisões e outras medidas relacionadas ao controle foram tomadas de acordo com nossa estrutura atual. Continuaremos a analisar os assuntos e tomaremos medidas adicionais, se necessário”, acrescentou o Credit Suisse.

Compartilhe esta publicação: