Orçamento dos EUA prevê redução da inflação mesmo com alta de preços por guerra

O plano orçamentário de US$ 5,79 trilhões para 2023 foi fechado no ano passado, bem antes da invasão da Ucrânia, mas assessores dizem que a economia está forte.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Caroline Purser/Getty Images
Caroline Purser/Getty Images

Conforme foi fechado em novembro de 2021, a proposta orçamentária prevê uma expansão real do PIB dos EUA de 2,8% no ano fiscal de 2023

Acessibilidade


A guerra da Rússia na Ucrânia vai elevar os preços de energia e alimentos, mas as taxas de inflação ainda devem perder força no próximo ano, afirmou hoje (28) a principal assessora econômica do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden.

Cecilia Rouse, presidente do Conselho de Assessores Econômicos da Casa Branca, disse que o plano orçamentário de US$ 5,79 trilhões (R$ 27,73 trilhões) para o ano fiscal de 2023 divulgado hoje baseou-se em premissas fechadas em 10 de novembro, bem antes da invasão, mas que a economia está em geral mais forte do que se esperava então.

“Existe uma enorme incerteza, mas nós e outras especialistas externos esperamos que a inflação vai diminuir ao longo do próximo ano”, disse Rouse. A proposta de orçamento precisa agora ser avaliada e aprovada pelo Congresso, que está profundamente dividido.

Rouse disse que a Casa Branca vai revisar suas estimativas econômicas ainda neste ano, incorporando a guerra na Ucrânia e seu impacto na inflação.

Leia mais: Déficit comercial de bens dos EUA diminui; acúmulo de estoques no varejo desacelera

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Conforme foi fechado em novembro de 2021, a proposta orçamentária prevê uma expansão real do Produto Interno Bruto dos EUA de 2,8% no ano fiscal de 2023, ante 4,2% no de 2022 e 5,5% no de 2021.

Em novembro, segundo Rouse, a Casa Branca assumiu que as pressões inflacionárias diminuiriam conforme a economia começasse a se normalizar diante do alívio nas pressões das cadeiras de oferta, redução do suporte fiscal para a economia e início de aumento de juros pelo Fed (Federal Reserve), o banco central norte-americano.

A invasão da Rússia “criaria pressões adicionais sobre os preços ao longo do próximo ano”, mas os fatores fundamentais que sustentam a economia devem continuar a melhorar.

Leia mais: Como a guerra entre Rússia e Ucrânia afeta o Brasil?

Compartilhe esta publicação: