Bilionários 2022: fundador da Binance torna-se a 19ª pessoa mais rica do mundo

Changpeng Zhao passou de zero a US$ 65 bilhões em menos de cinco anos, deixando Michael Dell, Charles Koch e 2.645 outros bilionários mundiais comendo poeira.

John Hyatt e Nina Bambysheva
Compartilhe esta publicação:
Bloomberg Finance/Forbes
Bloomberg Finance/Forbes

Com fortuna avaliada em US$ 65 bilhões, Changpeng Zhao é a 19ª pessoa mais rica do mundo

Acessibilidade


Changpeng Zhao, fundador e CEO da Binance, é a pessoa mais rica em criptomoedas, com um patrimônio estimado em US$ 65 bilhões, de acordo com o ranking de bilionários de 2022 da Forbes, publicado ontem (5). 

Isso faz de “CZ”, como é conhecido, de 44 anos, a 19ª pessoa mais rica do mundo, à frente de conhecidos bilionários americanos como o magnata da computação Michael Dell e o magnata da energia Charles Koch.

Depois de conversar com analistas da indústria de criptomoedas e indivíduos familiarizados com os negócios da Binance, a Forbes estima que a avaliação de mercado da Binance seja de US$ 92,5 bilhões (com base nos preços de mercado de 11 de março) e a participação de Zhao em pelo menos 70%.

A Binance, de capital fechado, não compartilha informações sobre suas finanças ou estrutura de propriedade. Oficialmente registrada nas Ilhas Cayman, a Binance opera em mais de 180 países por meio de uma rede de subsidiárias afiliadas, uma abordagem que levou a desafios regulatórios. Autoridades no Japão, Reino Unido e Hong Kong emitiram alertas no ano passado contra a empresa por operar sem a permissão dos reguladores. Em maio de 2021, a Bloomberg publicou um relatório alegando que a Binance estava enfrentando uma investigação do Departamento de Justiça dos EUA e da Receita Federal por lavagem de dinheiro e evasão fiscal. A Binance disse que leva a sério suas obrigações legais e de conformidade e se recusou a comentar sobre questões específicas.

Leia mais: As melhores corretoras de criptomoedas do mundo

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Entre as centenas de exchanges de criptomoedas que existem globalmente, a Binance tem um novo modelo de negócios que envolve a emissão de seus próprios tokens, conhecidos como Binance coin (BNB), para clientes e usá-los como um incentivo para negociação e recrutar outros novos clientes. Nesta estrutura de marketing multinível, quanto mais moedas BNB você possui e quanto mais pessoas você atrai para a plataforma de negociação, maiores são as comissões e descontos que você ganha. Inicialmente, o BNB era usado principalmente para descontos comerciais, mas seu uso se expandiu para uma criptomoeda completa com uma variedade de usos de pagamento em plataformas, incluindo exchanges rivais como Crypto.com.

A Binance também pratica o que é conhecido no mundo das criptomoedas como “queimar”, ou retirar os tokens regularmente para controlar o valor pendente. Em janeiro de 2020, foi relatado que a Binance parou de queimar seu token nativo BNB a uma taxa proporcional ao lucro, optando por uma taxa de queima vinculada ao volume de negociação, obscurecendo a visão do público sobre quanto dinheiro a Binance estava ganhando. De acordo com o CoinMarketCap, um site de preços de criptomoedas de propriedade da Binance, o token BNB atualmente tem uma capitalização de mercado de US$ 73 bilhões. A propriedade de moedas BNB de CZ é desconhecida, portanto, não está incluída no cálculo do patrimônio líquido da Forbes.

O bem-sucedido IPO da Coinbase e a avaliação de mercado de US$ 42 bilhões (em 11 de março de 2022) fornece uma referência para avaliar a maior exchange de criptomoedas. A empresa de análise de criptografia Nomics relata que o volume de negociação da Binance é mais de 15 vezes maior que o da Coinbase.

CZ disse à Forbes em janeiro de 2021 que ele possuía cerca de 30% – talvez: “Eu realmente não sei qual é meu patrimônio líquido. Não estou muito preocupado com isso”, disse ele no verão. Mas, de acordo com pessoas familiarizadas com o assunto que falaram com a Forbes sob condição de anonimato, a participação de CZ na Binance é consideravelmente maior – pelo menos 70%. (Subsidiárias da Binance registradas no Reino Unido e Malta sugerem que a CZ possui participação majoritária nessas empresas, embora seja difícil confirmar o tamanho dessas entidades dentro da maior holding da Binance nas Ilhas Cayman.)

Como outros ricos em criptomoedas, Zhao é um programador cuja fortuna foi feita por si mesmo. Ele nasceu em Jiangsu, China, em 1977. Pouco depois, seu pai, um professor, foi rotulado de “intelecto pró-burguês” e exilado temporariamente. No final da década de 1980, a família mudou-se para Vancouver, Canadá. Quando adolescente, CZ se ofereceu para cobrir as despesas domésticas, fazendo hambúrgueres no McDonald’s e trabalhando em turnos noturnos em um posto de gasolina. Aos 16 anos, ele aprendeu a codificar e depois se formou em ciência da computação em Montreal na McGill University. O jovem codificador passou um tempo em Tóquio, Nova York e Xangai, construindo sistemas de negociação de alta frequência para os operadores quantitativos de Wall Street, também conhecidos como “flash boys”.

Em 2013, CZ aprendeu sobre bitcoin com um capitalista com quem jogou pôquer. Depois de saltar em torno de projetos de criptomoedas proeminentes, ele levantou US$ 15 milhões por meio de uma venda coletiva de tokens e lançou a Binance em julho de 2017. Desde seus primeiros dias, a Binance era reconhecida por traders de criptomoedas por sua velocidade de execução e pela taxa de emissão de novos produtos. Em 2019, por exemplo, a exchange lançou o Binance Launchpad, ferramenta que possibilitou a emissão rápida de novos tokens em sua plataforma e em 2020 lançou seu próprio facilitador de staking de criptomoedas chamado Binance Launchpool.

O atual valor de mercado estimado da Binance de US$ 92,5 bilhões a coloca no escalão superior das empresas privadas de tecnologia, ao lado da empresa controladora do TikTok ByteDance, da gigante de pagamentos Stripe e da SpaceX de Elon Musk. Recentemente, a Binance vem se expandindo para novas verticais e regiões. A Binance planeja fazer um grande investimento na empresa controladora que será dona da Forbes após a transação de listagem pública anunciada anteriormente pela Forbes. “Queremos identificar e investir em um ou dois alvos em todos os setores econômicos e tentar trazê-los para a criptomoeda”, disse Zhao no início deste mês.

Entre as exchanges de criptomoedas, a Binance alcançou um nível impressionante de domínio de mercado. Em 2021, a Binance facilitou negociações no valor de mais de US$ 9,5 trilhões, mais de dois terços de todo o volume de negociação tratado por exchanges de criptomoedas centralizadas, de acordo com The Block, uma publicação de pesquisa de notícias e criptomoedas. De acordo com a análise da Forbes do volume e das taxas de negociação da Binance, a exchange gerou cerca de US$ 16,8 bilhões em taxas de negociação no ano passado.

Para estimar a avaliação da empresa, a Forbes – seguindo o conselho de vários analistas do setor de criptomoedas – multiplicou a receita estimada da Binance pelo múltiplo valor-vendas da empresa da Coinbase Global, de capital aberto. Em seguida, aplicamos nosso desconto habitual de 10% para empresas privadas, seguidos por outros 10% para explicar a situação regulatória incerta da Binance. Nossa estimativa de avaliação inclui as participações em bitcoin do bilionário adquiridas em 2014, no valor de aproximadamente US$ 50 milhões a preços atuais – muito menos de 1% de seu patrimônio líquido de US$ 65 bilhões.

Um porta-voz da empresa disse à Forbes por e-mail: “É difícil para nós confirmar o valor da Binance devido à volatilidade do mercado. Além disso, é difícil para nós confirmar a riqueza pessoal de CZ.”

CZ, que diz que pretende doar pelo menos 90% de sua riqueza, afirma ser muito mais pobre: ​​“Só conto o que está na minha carteira, que não é muito. O resto são opiniões”, tuitou.

Mais sobre bilionários de 2022

Bilionários 2022: Elon Musk é a pessoa mais rica do mundo

Novos bilionários 2022: brasileiros da Brex, Rihanna e outros 233 entram na lista

Quem são Henrique Dubugras e Pedro Franceschi, os novos brasileiros na lista de bilionários da Forbes

Bilionários 2022: veja quem são os 62 brasileiros com mais de US$ 1 bilhão

Veja quem são os bilionários com menos de 30 anos em 2022

As mulheres mais ricas do mundo em 2022

Compartilhe esta publicação: