Os bilionários de criptomoeda e blockchain mais ricos do mundo em 2022

Esses 19 bilionários enriqueceram no mundo das criptomoedas.

John Hyatt
Compartilhe esta publicação:
Imagem/Forbes
Imagem/Forbes

Apesar do ano negativo, não falta dinheiro a ser ganho na economia criptográfica, que vale US$ 2 trilhões

Acessibilidade


Os últimos doze meses foram selvagens para o mundo das criptomoedas. O período começou com a ascensão do Dogecoin alimentada por Elon Musk e seguiu com as inovações da Web3 e dos tokens não fungíveis (NFTs), as oscilações selvagens no Bitcoin e outros tokens de criptografia.

Em meio a toda a movimentação, também não falta dinheiro a ser ganho na economia criptográfica, que vale US$ 2 trilhões. Basta perguntar aos 19 bilionários – um recorde, com sete a mais do que no ano passado – da lista anual de bilionários do mundo da Forbes, publicada na terça-feira (5), que ganharam dinheiro com criptomoedas e tecnologia blockchain.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Os recém-chegados à lista incluem os fundadores da empresa Alchemy, de infraestrutura Web3, e os fundadores da OpenSea, um mercado de tokens não fungíveis. Os três mais ricos da lista – Changpeng Zhao, Sam Bankman-Fried e Brian Armstrong – comandam todas as exchanges de criptomoedas.

Conheça as personalidades e empresas de sucesso do clube dos bilionários das criptomoedas:

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

1.Changpeng Zhao

Patrimônio líquido: US$ 65 bilhões (R$ 305,5 bilhões)
Fonte da fortuna: Binance
Cidadania: Canadá

A pessoa mais rica da Crypto, fundador e CEO da Binance, “CZ” é a 19ª pessoa mais rica do mundo.

A Forbes estima que ele possua pelo menos 70% da Binance, a principal plataforma global de negociação de criptomoedas. No ano passado, a empresa supostamente facilitou cerca de dois terços de todo o volume de negócios tratado por mudanças centralizadas, gerando receita estimada em mais de US$ 16 bilhões.

Com base nessas estimativas, a Forbes elevou sua avaliação da fortuna de CZ, que antes era de US$ 1,9 bilhão.

O homem de 44 anos também possui um pequeno pedaço de Bitcoin e uma quantidade não revelada de BNB, o token nativo da Binance. A Binance planeja fazer um grande investimento na empresa controladora que será dona da Forbes após a transação de listagem pública anunciada anteriormente pela Forbes.

2. Sam Bankman-Fried

Patrimônio líquido: US$ 24 bilhões (R$ 112,8 bilhões)
Fonte da fortuna: FTX
Cidadania: Estados Unidos

O jovem de 30 anos se mudou de Hong Kong para as Bahamas, território mais amigável às criptomoedas, no final de 2021, junto a sua exchange FTX, que arrecadou US$ 400 milhões em janeiro com uma avaliação de US$ 32 bilhões.

Os apoiadores da startup incluem a loja de criptomoedas Paradigm (liderada pelo fundador da Coinbase Fred Ehrsam, outro bilionário de criptomoedas), a empresa de capital de risco Sequoia, a empresa de aquisições Thoma Bravo e o Ontario Teachers’ Pension Plan Board.

As operações da FTX nos EUA também foram recentemente avaliadas por investidores em US$ 8 bilhões. Adepto declarado do altruísmo eficaz, Bankman-Fried prometeu doar toda a sua fortuna ao longo de sua vida. Ele possui cerca de metade da FTX e mais de US$ 7 bilhões em FTT, o token nativo da plataforma.

Leia também: Preço do bitcoin deve se manter em queda, apontam especialistas

3. Brian Armstrong

Patrimônio líquido: US$ 6,6 bilhões (R$ 31 bilhões)
Fonte da fortuna: Coinbase
Cidadania: Estados Unidos

O CEO e fundador da Coinbase tornou pública a exchange de criptomoedas por meio de uma listagem direta em abril de 2021, com uma impressionante avaliação de US$ 100 bilhões.

Sua capitalização de mercado é cerca de metade disso hoje, mas ainda boa o suficiente para tornar Armstrong – com sua participação de 19% – a terceira pessoa mais rica em criptomoedas.

Figura reconhecida por suas camisetas simples e por ser careca, Armstrong ‘levantou as sobrancelhas’ em 2020 depois de exigir que seus funcionários não discutissem sobre política no trabalho. Em janeiro, o homem de 39 anos gastou US$ 133 milhões em uma mansão em Bel-Air, uma das transações domésticas mais caras da cidade até hoje. Mais recentemente, Armstrong tem se posicionado contra a legislação de criptomoedas proposta pelo Parlamento da UE.

4. Gary Wang

Patrimônio líquido: US$ 5,9 bilhões (R$ 27,7 bilhões)
Fonte da fortuna: FTX
Cidadania: Estados Unidos

O cofundador e diretor de tecnologia da FTX, Gary Wang, lançou a exchange de criptomoedas com Bankman-Fried em 2019.

Wang detém uma participação de 16% nos negócios globais da FTX e mais de US$ 600 milhões em FTT, o token nativo da FTX. Antes de entrar no mercado de criptomoedas, ele era engenheiro de software no Google, onde ajudou a construir a plataforma de reservas online Google Flights. Ele estudou matemática e ciência da computação no MIT.

5. Chris Larsen

Patrimônio líquido: US$ 4,3 bilhões (R$ 20,2 bilhões)
Fonte da fortuna: Ripple
Cidadania: Estados Unidos

O cofundador e presidente executivo da empresa de blockchain Ripple, cujo token XRP é atualmente a 8ª maior criptomoeda, Larsen se manteve ocupado lutando contra um processo da Securities and Exchange Commission – aberto pela primeira vez em dezembro de 2020 – que alega que a oferta inicial de moedas da Ripple foi uma oferta ilegal e vendeu títulos não registrados.

Ainda passando pelos tribunais federais, o caso é visto por muitos observadores de criptomoedas como um marco para futuras vendas de tokens. Larsen e Ripple negaram irregularidades.

Fora seus desafios legais, Larsen, de 61 anos, fez parceria com grupos climáticos para lançar uma campanha – “Mude o código, não o clima” – para pressionar a comunidade Bitcoin a reduzir a forte pegada de carbono do ativo digital.

Leia também: Como funciona a mineração de bitcoins?

6. Cameron Winklevoss e Tyler Winklevoss

Patrimônio líquido: US$ 4 bilhões cada (R$ 18,8 bilhões cada)
Fonte da fortuna: Bitcoin
Cidadania: Estados Unidos

Os irmãos gêmeos – mais conhecidos como inimigos universitários de Mark Zuckerberg (como imortalizados no filme de Hollywood, The Social Network) – transformaram seu acordo de US$ 65 milhões com Zuck em ouro digital, acumulando fortunas em criptomoedas de aproximadamente US$ 4 bilhões cada.

Os irmãos, que começaram a comprar bitcoin em 2012, desde então diversificaram seus portfólios de ativos digitais, adquirindo outras criptomoedas e lançando a exchange Gemini. A dupla também possui a plataforma de leilões de arte digital Nifty Gateway, beneficiária da mania NFT do ano passado (e alvo de uma ação movida pelo colecionador de arte Amir Soleymani em outubro de 2021, que acusou a plataforma de alterar seus termos de venda; Nifty Gateway alega que Soleymani deve a eles US$ 650 mil).

7. Song Chi Hyung

Patrimônio líquido: US$ 3,7 bilhões (R$ 17,3 bilhões)
Fonte da fortuna: Upbit
Cidadania: Coreia do Sul

O fundador da principal exchange de criptomoedas da Coreia do Sul, Upbit, Chi-hyung lucrou com o crescente mercado no país, de US$ 46 bilhões.

Estima-se que ele possua cerca de um quarto da empresa controladora da Upbit, Dunamu, que foi avaliada em US$ 17 bilhões em novembro passado, quando Hybe, a agência por trás da sensação do K-pop BTS, comprou uma participação de 2,5%. A Qualcomm, gigante de semicondutores dos EUA, detinha anteriormente 6% da Dunamu.

8. Barry Silbert

Patrimônio líquido: US$ 3,2 bilhões (R$ 15 bilhões)
Fonte de fortuna: Grupo de Moeda Digital
Cidadania: Estados Unidos

Fundador do grupo de investimentos Digital Currency Group, Silbert construiu um conglomerado de criptomoedas diversificado. Sua empresa de investimentos controla a Grayscale, que administra cerca de US$ 28 bilhões em ativos criptográficos, bem como a CoinDesk, uma empresa popular de notícias e eventos sobre criptomoedas.

Por meio de várias subsidiárias, o DCG de Silbert investiu em mais de 200 startups de criptomoedas. Antes da criptomoeda, Silbert era um banqueiro de investimentos e empresário que vendeu a plataforma de negociação de ações Second Market para a Nasdaq em 2015 por um valor não revelado.

9. Jed McCaleb

Patrimônio líquido: US$ 2,5 bilhões (R$ 11,7 bilhões)
Fonte de fortuna: Ripple, Stellar
Cidadania: Estados Unidos

McCaleb fez a maior parte de sua fortuna com o Ripple Labs e o XRP, projeto de criptomoeda focado em pagamentos que ele cofundou em 2012; McCaleb deixou o projeto em 2013 após uma briga com Larsen e outros membros da equipe.

Desde então, McCaleb vendeu grande parte de seu XRP em incrementos periódicos, aderindo a um acordo de separação de 2014 que ele firmou com a Ripple Labs. Ele é o fundador e diretor de tecnologia da criptomoeda Stellar.

10. Nikil Viswanathan e Joseph Lau

Patrimônio líquido: US$ 2,4 bilhões cada (R$ 11,2 bilhões)
Fonte da fortuna: Alchemy
Cidadania: Estados Unidos

Os cofundadores do blockchain Alchemy, Viswanathan e Lau, se conheceram em 2011 em Stanford em uma aula de ciência da computação; desde então, eles construíram mais de 10 produtos juntos. Seu primeiro sucesso, o aplicativo de encontro Down To Lunch, foi brevemente o principal aplicativo de rede social da Apple App Store em abril de 2016.

Depois de descobrir a criptomoeda, a dupla iniciou a Alchemy em 2017 como um kit de ferramentas para empreendedores e desenvolvedores de blockchain. Hoje, a Alchemy é uma plataforma líder de desenvolvimento para aplicativos Web3, incluindo a potência NFT OpenSea e a exchange descentralizada Kyber. Em fevereiro, a empresa levantou US$ 200 milhões em uma avaliação de US$ 10,2 bilhões, menos de quatro meses depois de ter sido avaliada em US$ 3,5 bilhões em uma rodada de captação de recursos.

11. Devin Finzer e Alex Atallah

Patrimônio líquido: US$ 2,2 bilhões (R$ 10,3 bilhões)
Fonte da fortuna: OpenSea
Cidadania: EUA

A dupla de 30 e poucos anos cofundou a startup de blockchain OpenSea, uma das primeiras participantes do crescente mercado de NFT. A OpenSea serve como uma plataforma ponto a ponto para os usuários criarem, comprarem e venderem tokens não fungíveis.

Em 2018, a dupla entrou no programa Y Combinator com a ideia de pagar pessoas usando criptomoedas para compartilhar seus pontos de Wi-Fi.

Depois de descobrir CryptoKitties – os colecionáveis administrados pelo Ethereum que atraíram seguidores cult – eles se voltaram para a ideia de um mercado para NFTs nascentes, que explodiu em popularidade no ano passado.

A OpenSea levantou capital em janeiro com uma avaliação de US$ 13,3 bilhões – acima dos US$ 1,5 bilhão de seis meses antes. Finzer e Atallah detêm, cada um, uma participação estimada de 18,5% na empresa.

12. Fred Ehrsam

Patrimônio líquido: US$ 2,1 bilhões (R$ 9,8 bilhões)
Fonte da fortuna: Coinbase
Cidadania: Estados Unidos

Cofundador da Coinbase, Ehrsam agora administra a Paradigm, que investe principalmente em empresas de criptomoedas e novos tokens. Em janeiro, a Paradigm investiu na Citadel Securities, uma das maiores formadoras de mercado das negociação de ações dos EUA.

Ehrsam, de 34 anos, deixou a Coinbase em 2017, mas permanece no conselho e ainda detém uma participação de 6% na empresa. Antes de descobrir a criptomoeda, Ehrsam trabalhou como trader de câmbio no Goldman Sachs. O jovem magnata credita parcialmente seu sucesso nas criptomoedas a ser um “jogador hardcore” no ensino médio.

13. Kim Hyoung-nyon

Patrimônio líquido: US$ 1,9 bilhão (R$ 8,9 bilhões)
Fonte da fortuna: Upbit
Cidadania: Coreia do Sul

Vice-presidente executivo da Dunamu da Coreia do Sul, Hyoung-nyon possui cerca de 13% da principal exchange de criptomoedas da Coréia do Sul, que cofundou há uma década com o colega bilionário Song Chi-hyung.

14. Michael Saylor

Patrimônio líquido: US$ 1,6 bilhão (R$ 7,5 bilhões)
Fonte de fortuna: MicroStrategy
Cidadania: Estados Unidos

Saylor transformou a MicroStrategy, empresa de software de negócios que ele cofundou em 1989, em um procurador de Bitcoin. Somente em 2020, o entusiasta de criptomoedas supervisionou a compra de mais de 70.000 bitcoins pela MicroStrategy – a um custo de aproximadamente US$ 1,1 bilhão – usando reservas de caixa e fundos emprestados.

A aposta mostrou seu valor quando o Bitcoin disparou. As ações da MicroStrategy quadruplicaram nos últimos dois anos, devolvendo Saylor ao clube das três vírgulas. O bilionário da era digital, Saylor, de 57 anos, viu sua fortuna despencar durante o crash dos sites e após um escândalo contábil.

Sempre faminta por bitcoin, a MicroStrategy de Saylor anunciou no final de março que assumiu um empréstimo de US$ 205 milhões para comprar mais criptomoedas.

15. Matthew Roszak

Patrimônio líquido: US$ 1,4 bilhão (R$ 6,5 bilhões)
Fonte de fortuna: Bitcoin, outras criptomoedas
Cidadania: Estados Unidos

Roszak começou a comprar bitcoin em 2012 e participou das primeiras ofertas iniciais da moedas, comprando tokens como Mastercoin, Factom e Maidsafe em 2013.

Roszak também investiu em várias startups de criptomoedas, incluindo exchanges populares como Coinbase e Kraken. Antes da criptomoeda, Roszak trabalhou como capitalista de risco em empresas como a SilkRoad Equity (onde liquidou as acusações da SEC de informações privilegiadas) e em private equity para a Advent International no Reino Unido.

Um verdadeiro acreditador, Roszak recentemente co-liderou uma iniciativa para dar a cada membro do Congresso US$ 50 em ativos digitais e diz que deu a Richard Branson e Bill Clinton seus primeiros bitcoins.

16. Tim Draper

Patrimônio líquido: US$ 1,2 bilhão (R$ 5,6 bilhões)
Fonte de fortuna: Bitcoin e outras criptomoedas
Cidadania: Estados Unidos

Um capitalista de risco por comércio, Draper investiu pela primeira vez em Bitcoin em 2012. Dois anos depois, em 2014, ele comprou 29.656 bitcoins por US$ 18,7 milhões – ou apenas US$ 632 por moeda – dos US Marshals, em um leilão de tokens confiscados do Silk Road, o famoso mercado online de bens e serviços ilícitos.

No início deste ano, Draper disse à Forbes que acredita que o Bitcoin atingiria US$ 250.000 até o final de 2022; atualmente é negociado abaixo de US$ 50.000.

Compartilhe esta publicação: