Otan diz estar pronta para apoiar Kiev por anos em guerra contra Rússia

O chefe da Otan afirmou que o Ocidente continuará pressionando ao máximo Vladimir Putin para encerrar a invasão da Ucrânia.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Johanna Geron/Reuters
Johanna Geron/Reuters

Jens Stoltenberg, secretário-geral da Otan

Acessibilidade


A Otan está pronta para manter seu apoio à Ucrânia na guerra contra a Rússia por anos, incluindo ajudar Kiev a mudar de armas da era soviética para armas e sistemas ocidentais modernos, disse o secretário-geral Jens Stoltenberg hoje (28).

Ele falou depois que o Kremlin alertou que o fornecimento de armas ocidentais à Ucrânia, incluindo armas pesadas, representa uma ameaça à segurança do continente europeu “e provoca instabilidade”.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

“Precisamos estar preparados para o longo prazo”, disse Stoltenberg em uma cúpula de jovens em Bruxelas. “Existe absolutamente a possibilidade de que esta guerra se arraste e dure meses e anos.”

O chefe da Otan afirmou que o Ocidente continuará pressionando ao máximo o presidente russo, Vladimir Putin, para encerrar a invasão da Ucrânia, que Moscou chama de “operação militar especial”, por meio de sanções e ajuda econômica e militar a Kiev.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Os aliados da Otan estão se preparando para fornecer apoio por um longo período de tempo e também ajudar a Ucrânia a transitar, passar de equipamentos antigos da era soviética para armas e sistemas mais modernos da Otan que também exigirão mais treinamento”, disse Stoltenberg.

A maioria das armas pesadas que os países da Otan enviaram para a Ucrânia até agora são armas de fabricação soviética que ainda estão nos estoques dos países membros da Otan da Europa Oriental, mas os Estados Unidos e alguns outros aliados começaram a fornecer obuses ocidentais a Kiev.

A Alemanha anunciou na terça-feira o envio de tanques Gepard equipados com armas antiaéreas para a Ucrânia, a primeira vez que Berlim aprovou entregas de armas pesadas para Kiev.

VEJA TAMBÉM: Rússia vê sua produção de petróleo cair até 17% em 2022, diz documento

Os apelos da Ucrânia por armas pesadas se intensificaram desde que Moscou mudou sua ofensiva para Donbas, uma região oriental com terreno plano e aberto, visto como mais adequado para batalhas de tanques do que as áreas ao norte ao redor da capital Kiev, onde ocorreu grande parte dos combates anteriores.

Compartilhe esta publicação: