BC britânico adota maior alta dos juros desde 1995 e alerta para recessão

Comitê de Política Monetária do banco votou por 8 a 1 por um aumento de 0,5 ponto percentual na taxa de juros, para 1,75%

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Toby Melville/Reuters
Toby Melville/Reuters

Sede do Banco da Inglaterra em Londres

Acessibilidade


O banco central britânico adotou o maior aumento da taxa de juros em 27 anos hoje (4), apesar de alertar que uma longa recessão está a caminho, conforme corre para amortecer uma inflação projetada em mais de 13%.

Em meio ao aumento nos preços da energia causado pela invasão russa da Ucrânia, o Comitê de Política Monetária do Banco da Inglaterra votou por 8 a 1 por um aumento de 0,5 ponto percentual na taxa de juros, para 1,75% – seu nível mais alto desde o final de 2008.

A alta de 0,5 ponto era esperada pela maioria dos economistas em uma pesquisa da Reuters, no momento em que bancos centrais em todo o mundo buscam conter o salto dos preços.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Silvana Tenreyro, membro do comitê, votou sozinha a favor de um aumento menor, de 0,25 ponto.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O banco central alertou que o Reino Unido enfrentará uma recessão, com uma queda de até 2,1% na produção, semelhante a um tombo registrado na década de 1990, mas muito menor do que o impacto da Covid-19 e da crise financeira global de 2008-09.

A economia começará a encolher no último trimestre de 2022 e se contrairá durante todo o ano de 2023, o que configuraria a recessão mais longa desde a crise financeira global.

Abrindo alas para a contração econômica, a inflação dos preços ao consumidor agora deve atingir um pico de 13,3% em outubro — maior nível desde 1980 — devido principalmente ao aumento nos preços de energia após a invasão da Ucrânia pela Rússia.

Isso deixaria as famílias enfrentando dois anos consecutivos de declínio em sua renda disponível, o maior aperto desde que esses registros começaram, em 1964.

A inflação dos preços ao consumidor britânico atingiu uma máxima em 40 anos de 9,4% em junho, já mais de quatro vezes a meta de 2% do Banco da Inglaterra.

Anteriormente, a instituição esperava que a inflação chegaria a um pico acima de 11% e projetava quase nenhum crescimento na economia britânica antes de 2025, no mínimo.

Em suas novas estimativas, a autoridade monetária previu a inflação caindo para 2% em dois anos, à medida que o impacto econômico afeta a demanda.

O banco central britânico já elevou os juros seis vezes desde dezembro, mas o movimento desta quinta-feira foi o maior desde 1995.

“A política monetária não está num caminho estabelecido previamente”, disse o Banco da Inglaterra. “A escala, o ritmo e o momento de quaisquer outras mudanças na Taxa Bancária refletirão a avaliação do comitê sobre as perspectivas econômicas e as pressões inflacionárias.”

Compartilhe esta publicação: