Conheça a galáxia mais distante já encontrada, com 13,5 bilhões de anos

Descoberta por astrônomos japoneses, ela poderia ser o lar das primeiras estrelas do universo.

Jamie Carter
Compartilhe esta publicação:
Reprodução

O HD1 pode ser o lar das primeiras estrelas do Universo, conhecidas como estrelas da População III, que até agora nunca foram observadas.

Acessibilidade


Logo após a descoberta de “Earendel” – a estrela mais distante, a 12,9 bilhões de anos-luz de distância – vem o anúncio, nesta semana, de que os astrônomos encontraram a galáxia mais distante. Chamado de HD1 e descoberto por astrônomos japoneses que usaram telescópios em todo o mundo, este lugar ultra-remoto existe a impressionantes 13,5 bilhões de anos-luz de distância. Isso é apenas 300 milhões de anos após o “Big Bang” que se acredita ter criado o Universo.

O HD1 pode ser o lar das primeiras estrelas do Universo, conhecidas como estrelas da População III, que até agora nunca foram observadas.

“Foi um trabalho muito difícil encontrar o HD1 em mais de 700 mil objetos”, diz Yuichi Harikane, o astrônomo que descobriu o HD1. “A cor vermelha dele combinava com as características esperadas de uma galáxia a 13,5 bilhões de anos-luz de distância, me dando um pouco de arrepios quando a encontrei.”

HD1 é vermelho porque a luz muito antiga é esticada ao longo do tempo enquanto viaja pelo espaço. A luz vermelha tem o maior comprimento de onda. Como o Universo está se expandindo, galáxias muito distantes parecem se afastar de nós em velocidades maiores do que galáxias mais próximas. Sua luz é, portanto, ainda mais vermelha.

LEIA TAMBÉM: Asteroide do tamanho de um piano de cauda atinge a Terra

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O que é surpreendente sobre o HD1 é sua extrema luminosidade, é extremamente brilhante na luz ultravioleta e, portanto, considerada uma galáxia formadora de estrelas muito ativa. Estima-se que esteja formando mais de 100 estrelas a cada ano.

No entanto, essa é uma taxa 10 vezes maior do que os cientistas esperavam. O HD1 está produzindo uma geração anterior de estrelas que os astrônomos não conhecem. “A primeira população de estrelas que se formou no Universo era mais massiva, mais luminosa e mais quente do que as estrelas modernas”, disse Fabio Pacucci, astrônomo do Centro de Astrofísica e principal autor de um artigo publicado na revista Monthly Notices .

O HD1 foi descoberto após mais de 1.200 horas de observação com vários equipamentos: Telescópio Subaru, Telescópio VISTA, Telescópio Infravermelho do Reino Unido e Telescópio Espacial Spitzer. A equipe realizou observações de acompanhamento usando o Atacama Large Millimetre (ALMA) para confirmar a distância, que é 100 milhões de anos-luz a mais do que GN-z11, o atual detentor do recorde para a galáxia mais distante.

“A significância do sinal é de 99,99%”, disse Akio Inoue, professor da Universidade Waseda, que liderou as observações do ALMA. “Se esse sinal for real, isso é evidência de que HD1 existe a 13,5 bilhões de anos-luz de distância, mas não podemos ter certeza sem uma significância de 99,999% ou mais.”

Então, por enquanto, a HD1 é considerada uma galáxia “candidata” até que seja confirmada por uma equipe diferente de cientistas usando equipamentos ou métodos diferentes. É assim que a ciência funciona. “Responder a perguntas sobre a natureza de uma fonte tão distante pode ser um desafio”, disse Pacucci. “Em última análise, é um longo jogo de análise e exclusão de cenários implausíveis.”

Compartilhe esta publicação: