Apple é acusada de uso indevido de dados pelo “Apple Pay Later”

Órgão regulador dos EUA alertou que a entrada da empresa no mercado de compre agora, pague depois, é passivo de preocupação

Ron Shevlin
Compartilhe esta publicação:
Getty Images
Getty Images

O Consumer Financial Protection Bureau (CFPB) está investigando eventuais abusos na funcionalidade da Apple

Acessibilidade


A Apple, por meio de seu serviço Apple Pay Later, está sendo investigada pelo Consumer Financial Protection Bureau (CFPB), um dos principais reguladores de finanças dos Estados Unidos. O diretor do CFPB, Rohit Chopra, disse que o Apple Pay Later levantou “uma série de questões”, incluindo ponto antitruste e de privacidade de dados.

“O principal regulador de finanças e consumo dos EUA alertou que a entrada da Big Tech no negócio de comprar agora, pagar mais tarde arrisca enfraquecer a concorrência no setor e levanta questões sobre o uso de dados de clientes”, disse Chopra em entrevista.

Chopra também afirmou que a entrada da Big Tech no negócio de empréstimos levanta questões sobre como as empresas usam os dados dos clientes, incluindo histórico de navegação, histórico de geolocalização e informações de saúde.

Leia mais: Além do trilhão: os momentos cruciais da Apple em 2022

Porém, a perspectiva de (potencialmente) ser acusado de violações de privacidade de dados é irônica. Apenas seis semanas atrás, a CNBC informou que o CEO da Apple, Tim Cook, estava pressionando por uma legislação de privacidade “o mais rápido possível” após uma visita ao Congresso. Como a CNBC escreveu:

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“A Apple há muito se posiciona como a empresa mais focada em privacidade entre seus pares de tecnologia, e Cook aborda regularmente o assunto em discursos e reuniões. A Apple diz que seu compromisso com a privacidade é um valor profundamente mantido por seus funcionários, e muitas vezes invoca a frase ‘a privacidade é um direito humano fundamental’”.

Algumas das preocupações do CFPB estão erradas. O ponto de que a Apple tenha muitos dados de pagamento do consumidor de seus serviços de pagamento atuais, por exemplo, ignora o fato de que o  CFPB não leva a sério a questão de apresentar acusações antitruste e de privacidade contra a Apple.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: