Conab prevê safra de soja 2021/22 do Brasil em 141,26 milhões de toneladas, com milho em recuperação

As duas commodities, as principais da safra de grãos brasileira, devem impulsionar nova produção recorde no ano que vem.

Redação
Compartilhe esta publicação:
fotokostic/Getty Images
fotokostic/Getty Images

Soja e milho devem impulsionar novo recorde de produção em 2022, segundo estimativas da Conab

Acessibilidade


A Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) estimou hoje (26) um avanço de 3,9% na produção de soja do Brasil em 2021/22 ante a atual temporada, enquanto a safra total de milho do país deverá se recuperar após sofrer uma quebra em função das condições climáticas adversas em 2020/21.

As duas commodities, que respondem pela maior parte da safra de grãos brasileira, devem dar impulso a uma nova produção recorde no ano que vem, de 289,6 milhões de toneladas de grãos, segundo a Conab.

VEJA TAMBÉM: Safra de cana do centro-sul pode cair a 530 milhões de toneladas, com ‘viés de baixa’, diz Unica

Em sua primeira divulgação de projeções para a próxima temporada, a estatal indicou que a safra de soja 2021/22 atingirá 141,26 milhões de toneladas, puxada por um aumento de 3,6% na área plantada em meio a preços atrativos e expectativas positivas de rentabilidade.

A área de cultivo da oleaginosa tende a alcançar 39,91 milhões de hectares na nova temporada, disse a Conab, citando também o câmbio atrativo neste momento, com o real desvalorizado frente ao dólar, e expectativas de aumento nas exportações e no esmagamento no ano que vem.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Pelos números da Conab, as exportações de soja do Brasil devem chegar a 87,58 milhões de toneladas em 2022, versus 83,42 milhões de toneladas neste ano, diante de uma estimativa de aumento na demanda da China, principal cliente do país no setor.

Já o processamento local da oleaginosa no ano que vem foi projetado em 51,47 milhões de toneladas, ante 46,50 milhões de toneladas no ciclo atual.

A cifra é impulsionada pela expectativa de um aumento no percentual da mistura obrigatória de biodiesel ao diesel no país para 14%, contra 13% atualmente.

“Mesmo com um aumento na produção para a safra 2021/22, estima-se que a diferença entre oferta e demanda mundial seja pequena em 2022, o que implica na manutenção da relação estoque/consumo mundial ainda em níveis baixos”, acrescentou a Conab em apresentação.

VEJA TAMBÉM: Grãos podem tomar o lugar do café queimado pelas geadas no Brasil

Para o milho, a estatal estimou a safra total 2021/22 do país em 115,96 milhões de toneladas, salto de 33,8% na comparação anual, indicando uma recuperação após a quebra vista neste ano, quando o cultivo sofreu com seca e geadas.

A safra de verão do cereal deve somar 27,2 milhões de toneladas, aumento de 9% no ano a ano, enquanto a chamada “safrinha” — principal do milho no país — tende a saltar 45%, a 87,3 milhões de toneladas.

A área plantada com o cereal foi projetada em 20,6 milhões de hectares, alta de 3,9% na comparação anual, em estimativa que compreende 15,65 milhões de hectares na segunda safra (avanço de 5,2%) e 4,4 milhões de hectares na primeira — esta, praticamente estável na comparação anual.

Entre os fatores altistas para o milho, a Conab citou o baixo estoque de passagem, a oferta reduzida devido aos problemas climáticos e a valorização dos preços internacionais e do dólar.

No front baixista, por sua vez, a Conab vê incertezas sobre a demanda chinesa por milho e os custos de importação no nível dos preços nacionais.

ALGODÃO

A estatal estimou ainda a safra de algodão (pluma) em 2021/22 em 2,71 milhões de toneladas, alta de 15,8% na comparação anual, diante de um aumento de 13,4% na área de cultivo, que deverá atingir 1,55 milhão de hectares.

VEJA TAMBÉM: Cepea indica alta do algodão desde o início do mês

A fibra também se beneficiará dos altos preços internacionais e do dólar valorizado frente ao real, segundo a Conab, que ainda projetou as exportações de algodão em 2 milhões de toneladas em 2022, leve queda frente aos 2,1 milhões de toneladas deste ano.

“Cerca de 34% da safra 2021/22… já foi vendida”, disse a entidade. “As exportações continuarão aquecidas.”

A diminuição nos embarques externos se vê compensada em um aumento no consumo interno, que atingirá 760 mil toneladas no ano que vem, versus 715 mil toneladas em 2021. A Conab vê um “novo crescimento na demanda com a vacinação e controle da pandemia.” (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: