Cooperativa Holambra lança seu primeiro CRA por R$ 75 milhões

Grupo de produtores que cultiva mais de 70 mil hectares de grãos agora quer o selo verde para o papel no mercado

Redação
Compartilhe esta publicação:
Divulgação
Divulgação

CEO da Cooperativa Holambra, Shandrus Hohne de Carvalho enxerga o CRA como “uma oportunidade de investimento bastante rentável e muito segura”

Acessibilidade


A tradicional Cooperativa Agro Industrial Holambra, fundada em 1960 e com sede no município de Paranapanema (SP), é uma das muitas cooperativas do agronegócio que buscam apertar o passo visando maiores investimentos e sustentabilidade para o seus negócios. No caso da Holambra foi o lançamento de seu primeiro CRA (Certificado de Recebíveis do Agronegócio) com coordenação exclusiva do banco BV. A operação, com a Virgo como securitizadora, é avaliada em R$ 75 milhões.

Com área de cultivo da ordem de 70 mil hectares de soja, trigo, algodão e milho, além de produzir sementes e comercializar frutas. Atualmente são cerca 160 produtores rurais cooperados que se reportam às unidades localizadas nos municípios de Taquarivaí, Itapeva, Paranapanema, Avaré, Itaberá e São Manuel, todos no interior paulista. No ano passado, pela primeira vez em sua história, o faturamento da cooperativa ultrapassou a marca de R$ 1 bilhão. Para 2021, a estimativa é crescer 30%.

LEIA TAMBÉM: AgroRound: Estimativas para a produção de milho segunda safra são reduzidas, aponta a Agroconsult

“Para o investidor, o nosso CRA é uma oportunidade de investimento bastante rentável e muito segura, além de ser isenta de imposto de renda. A possibilidade real é de ganhar muito acima comparando com investimentos tradicionais”, diz Shandrus Hohne de Carvalho, CEO da cooperativa. O projeto também engloba o processo de obtenção de selo verde para o novo CRA, mostrando que práticas de sustentabilidade são uma das prioridades. “A verdade é que cada vez mais, os negócios que se comprometem com as melhores práticas de gestão têm uma operação mais sustentável sob variados aspectos, incluindo o econômico, e na gestão de riscos, gerando resultados mais consistentes ao longo do tempo”, afirma Carvalho.

Para Albano Correa, diretor de corporate & investment banking do BV, a iniciativa da companhia é inovadora. Poucas cooperativas já tomaram esse tipo de ação ou tentaram criar fontes alternativas de captação, como a emissão de um CRA. “A transação está alinhada com os pilares ESG do banco BV, que anunciou publicamente o compromisso de financiar ou distribuir por meio do mercado de capitais R$ 80 bilhões até 2030”, diz Correa.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Além do CRA, a Cooperativa Holambra também investe em soluções tecnológicas. A principal delas é o monitoramento da lavoura por meio de imagens de satélites e uso de algoritmos de Inteligência Artificial, medida que traz maior segurança aos resultados da produção. “O investidor que optar pelo CRA da Cooperativa Holambra terá a vantagem de investir em uma companhia que preza pela produtividade, pela sustentabilidade e também pela qualidade do produto”, afirma Carvalho.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: