Mato Grosso vai reduzir ICMS de etanol de milho a partir de 2022

A decisão deve favorecer investimentos bilionários como a construção de novas usinas e a ampliação de capacidade de plantas já em operação.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Jason Reed/Reuters
Jason Reed/Reuters

A decisão deve favorecer investimentos bilionários como a construção de novas usinas e a ampliação de capacidade de plantas já em operação

Acessibilidade


O Mato Grosso aprovou a redução gradativa da alíquota do ICMS (Imposto sobre Circulação, Mercadorias e Serviços) sobre o etanol hidratado, a partir de 2022, vinculada ao aumento da produção vendida para fora do Estado, maior produtor do biocombustível feito a partir de milho do Brasil.

A resolução do Condeprodemat (Conselho Deliberativo dos Programas de Desenvolvimento de Mato Grosso), publicada no diário oficial hoje (31), estabelece que a alíquota em 2022 seja de 4,5%, meio ponto abaixo dos 5% atuais – percentual que já conta com benefício tributário (a alíquota integral é de 12,5%), de acordo com a Unem (União Nacional de Etanol de Milho).

LEIA MAIS: Centro-sul pode produzir mais etanol, mesmo com moagem menor de cana-de-açúcar

Para a associação, a redução do ICMS deve favorecer investimentos acima de R$ 5 bilhões que estão previstos para os próximos três anos em Mato Grosso, com a construção de novas usinas, ampliação de capacidade de plantas já em operação e conversão de unidades de cana-de-açúcar em flex (que também processam milho).

“Existe a proposta de um novo ciclo de crescimento da indústria de etanol, com compromisso de vultuosos investimentos em novas indústrias de dedicação exclusiva a produção de etanol de milho, ampliação da capacidade de indústrias já em operação, além de usinas de cana-de-açúcar transformadas em usinas flex”, disse o presidente da Unem, Guilherme Linares Nolasco, com nota.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A expectativa, de acordo com a Unem, é de um incremento de 1,6 bilhão de litros na produção de etanol até 2023, versus uma produção estimada pela safra atual 2021/22 de cerca de 4 bilhões de litros. Desse total, 2,93 bilhões de litros são de etanol de milho, como restante sendo de cana. Mais de 70% do etanol produzido em Mato Grosso deverá ser vendido em outros Estados na safra 2021/22, uma vez que o consumo estadual é de 850 milhões de litros ao ano.

Conforme a associação, a alíquota do ICMS deverá ser reduzida de 4,5% para 4,1% após o Estado obter um aumento anual de 500 milhões de litros; para 3,5% com a oferta aumentando 600 milhões de litros/ano; e para 3,2%, com mais 400 milhões de litros de etanol/ano. Segundo estudo realizado pelo Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea), a redução da alíquota de ICMS não terá impacto nos cofres públicos, uma vez que a receita obtida com o tributo cobrado do milho in natura é menor.

“Uma tonelada de milho exportado in natura gera R$ 12 em arrecadação por meio do Fethab, enquanto o processamento de uma tonelada do cereal para fabricação de etanol arrecada R$ 51”, disse Nolasco.

O Mato Grosso também é o maior produtor de milho e soja do Brasil. (Com Reuters)


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: