Ação global inédita une empresas do agro brasileiro em projeto de descarbonização

Como BRF, Rumo, Raízen e Amaggi estão se alinhando para ações colaborativas que visam medir a pegada de toda a cadeia de suprimentos e não apenas da produção no campo.

Felicia Jackson
Compartilhe esta publicação:
Lucas Ninno/Gettyimages
Lucas Ninno/Gettyimages

Projeto brasileiro deve servir de modelo para acelerar a implantação de soluções de baixo carbono em toda e qualquer cadeia de abastecimento

Acessibilidade


Uma rede de empresas agrícolas brasileiras, incluindo BRF, Rumo, Raízen e Amaggi, está construindo, em colaboração com a norte-americana Sinai Technologies, um arcabouço ferramental para avaliar a lacuna de emissões para descarbonização no setor agrícola brasileiro. Gerenciar as emissões agrícolas é uma preocupação que está aumentando a agenda política e econômica, à medida que o prazo para ações nesse sentido fica mais curto. O setor continua sendo um desafio a ser enfrentado, visto que existem lacunas significativas na medição das emissões na produção global de alimentos. Isso cobre todas as partes da cadeia de valor, desde a produção agrícola, pecuária, processamento de alimentos, transporte e consumo.

A análise mais recente conduzida pela FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura) diz que 31% das emissões antrópicas totais de GEEs (gases de efeito estufa), ou 16,5 bilhões de toneladas, têm origem nos sistemas agroalimentares mundiais, um aumento de 17% em relação a 1990, quando a população global era menor. Isso indica uma tendência preocupante, visto que a demanda por alimentos continua aumentando.

LEIA TAMBÉM: China reduzirá importação de soja dos EUA após atrasos e Brasil ganha espaço

O autor da análise, Franco Tubiello, afirma: “A tendência mais importante durante o período de 30 anos desde 1990 … é o papel cada vez mais importante das emissões relacionadas com os alimentos geradas fora das terras agrícolas, nos processos de pré e pós-produção ao longo das cadeias de abastecimento de alimentos, em todas as escalas de global a regional e nacional.”

Maria Fujihara, fundadora e CEO da Sinai Technologies diz: “Se você é um consumidor e está comprando produtos nas prateleiras do supermercado, não tem ideia de quais são as emissões associadas ao processo de produção desse produto. A mesma lógica se aplica se você é um produtor de sementes ou um fabricante de fertilizantes: não há clareza do impacto de seus produtos na cadeia de abastecimento. Isso aumenta o desafio de identificar as emissões, associar propriedades e traçar estratégias em um plano de redução.”

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.
Reprodução/Youtube
Reprodução/Youtube

Maria Fujihara diz que as empresas não têm clareza do impacto de seus produtos na cadeia de abastecimento

Mas esta iniciativa é indicativa de uma mudança significativa nas abordagens de descarbonização. O WBCSD (Conselho Empresarial Mundial para o Desenvolvimento Sustentável) e o RMI (Rocky Mountain Institute) lançaram a Carbon Transparency Partnership em junho, dizendo: “Para alcançar emissões líquidas zero antes de 2050, precisamos que todas as empresas contabilizem e compartilhem as emissões de carbono como um primeiro passo para reduzi-las.”

A grande questão é como expandir a ação setorial rapidamente. Em novembro, o WBCSD e a PwC Reino Unido publicaram um relatório para as empresas delineando os incentivos para a descarbonização da cadeia de suprimentos. As multinacionais estão em uma posição única para conduzir ações em toda a cadeia de suprimentos, mas muitas têm demorado a agir devido à combinação de prioridades de negócios concorrentes com a complexidade dessa cadeia.

Maria Fujihara diz: “O que é interessante é que as emissões do Escopo 3 são do Escopo 1 e 2 de outra pessoa, e essas empresas estão procurando entender suas emissões do Escopo 3 e além”. Ela continua: “É imperativo não apenas calcular as emissões para o setor de alimentos, mas principalmente, encontrar as soluções ideais que ajudarão cada empresa a reduzir e mitigar as emissões associadas.”

Esta é a primeira vez – em qualquer setor – que vimos uma iniciativa colaborativa com o objetivo comum de identificar oportunidades de descarbonização em todas as operações da cadeia de suprimentos. Por meio dessa colaboração, as empresas conectarão as emissões do processamento de sementes à produção agrícola, comercialização, logística, produção e operação de rações e alimentos e, finalmente, a distribuição do Brasil aos mercados globais.

Embora esta primeira parceria se concentre na indústria agrícola, a oportunidade é acelerar a implantação de soluções de baixo carbono em toda e qualquer cadeia de abastecimento. O que diferencia o projeto brasileiro, além de simplesmente ser o primeiro, é que, embora nem todos os colaboradores tenham sido citados, o projeto reúne até concorrentes para trabalhar na dinâmica de emissões da cadeia de suprimentos.

As metodologias usadas no novo módulo da Cadeia de Valor da Sinai Technologies têm como objetivo garantir que os dados primários possam fornecer precisão e transparência para incentivar a adoção de soluções de baixo carbono. Quando questionado sobre como essa abordagem se compara ao uso da análise do ciclo de vida (LCA), Maria Fujihara diz que as LCAs estão desatualizadas e sujeitas a margens de erro de até 80%. Ela diz: “Eles não foram criados para medir as emissões, mas para criar produtos melhores – se pudermos encontrar uma maneira melhor, deveríamos”.

A Sinai Technologies fez parceria com a RMI para desenvolver sua metodologia e estrutura e, embora a metodologia seja publicada para que todos possam usar, a plataforma do Sinai automatiza o processo de alocação de emissões para obter perfis de emissões de produto no nível do local. A longo prazo, todos os dados coletados serão auditados por um terceiro para validar os dados, metodologias de alocação e cálculos na plataforma de descarbonização da Sinai. Como afirma Maria Fujihara, o mais importante é que os dados sejam auditáveis.

O que estamos vendo no setor agrícola hoje é o impacto das tendências de mercado de longo prazo da aceitação global da mudança climática e a necessidade de agir, a preocupação dos investidores sobre a precificação do carbono e ativos perdidos, bem como o aumento da pressão do consumidor sobre as empresas para responder . O mercado de energia tem sido o foco dessa atividade nas últimas duas décadas, mas, à medida que o mundo desperta para o desafio das mudanças climáticas, outros setores com perfis de emissões significativos passarão a ser mais investigados.

Enfrentar as mudanças climáticas envolve impacto, redução de emissões, contabilidade e custos, mas também integridade, transparência e responsabilidade. Maria Fujihara acredita que a Sinai Technologies se destaca porque automatiza a análise de emissões de acordo com metas baseadas na ciência. Ela diz: “Nosso foco está na redução e mitigação, não na compensação. Para a agricultura, devemos ter as respostas no próximo ano em termos de identificação dessa redução e mitigação, rastreabilidade e auditoria.”

É provável que veremos o aumento da digitalização em um setor que tem demorado a aceitar mudanças. Mas a complexidade do mercado, o número de participantes diferentes e o grande volume de pontos de dados que precisam ser avaliados significam que a análise baseada em nuvem, o aprendizado de máquina e a automação se tornarão cada vez mais um elemento crítico de negócios para o setor agrícola. Maria Fujihara acredita que a complexidade da sustentabilidade significa que o gerenciamento de dados pode sair do controle muito rapidamente e que a única maneira de escalar com velocidade é por meio de software. Outra razão é que o software permite a colaboração não apenas entre parceiros industriais, mas dentro de empresas onde as operações foram historicamente divididas em departamentos.

Maria Fujihara diz: “A colaboração é o novo normal. Precisamos aprimorar a colaboração entre as equipes dentro das empresas e entre as empresas da cadeia de valor. Não teremos sucesso se não conectarmos o impacto financeiro ao impacto ambiental. Não teremos sucesso se não conectarmos compradores a fornecedores. Em última análise, a natureza está totalmente conectada e os humanos também estão conectados à natureza, é a base da vida neste planeta. É a simbiose. Se não entendermos como colaborar entre equipes e entre empresas, e associar a natureza a esta discussão, continuaremos remando contra a correnteza.”

*Felicia Jackson é jornalista colaboradora da Forbes USA e fundadora da The Net Imperative Ltd e da New Energy Finance (posteriormente comprada pela Bloomberg). Também é autora de Conquering Carbon: Carbon Emissions, Carbon Markets and the Consumer e professora na Escola de Estudos Orientais e Africanos da Universidade de Londres.

Compartilhe esta publicação: