Startups mostram inovações em agricultura regenerativa

Instituto Agrogalaxy anuncia os vencedores do seu 1º desafio, com prêmios da ordem de R$ 300 mil para implantar inovações no campo

Erich Mafra
Compartilhe esta publicação:
Alfribeiro_Gettyimages
Alfribeiro_Gettyimages

O Instituto Agrogalaxy selecionou três startups com soluções para impulsionar a transição para a agricultura regenerativa

Acessibilidade


O Instituto Agrogalaxy, organização não governamental sem fins lucrativos criada pela plataforma de venda de insumos de mesmo nome, anunciou hoje (15) o nome das três startups vencedoras de seu primeiro desafio que levou o nome de “Transição para Agricultura Regenerativa”. A entidade selecionou as startups com base em suas soluções propostas ao tema e o potencial para impactar o setor. Dentre as dez finalistas, as três startups vencedoras foram Tarvos, Dana Agro e Solusolo.

“Tivemos quase 100 inscrições e, por conta da alta qualidade, engajamento e dedicação dos empreendedores, foi um trabalho enorme fazer a seleção”, afirmou Mônica Alcântara, head de ESG do instituto. “Independente dos selecionados hoje, já estabelecemos conexão com os dez finalistas. Faremos todo o possível para mantê-los perto do instituto e conseguir levar algumas dessas soluções ao campo.” A empresa criou o instituto no início deste ano, em um movimento que é nacional de formação de hubs de inovação  que também podem ser ligados a entidades ou como organizações independentes.

A Tarvos, sediada em Campinas (SP), foi a primeira colocada e recebeu o prêmio de R$ 150 mil. O valor será utilizado para custear a aplicação no campo de softwares e equipamentos eletrônicos para o monitoramento automatizado de pragas.  A agtech foi criada em 2018 pelos engenheiros agrícolas Andrei Grespan, Fabricio Soares e Hugo Fernandes, crias da Unicamp (Universidade Estadual Paulista). É da lavra da equipe, por exemplo, a concepção de  armadilhas automáticas que monitoram pragas nas lavouras continuamente, conectadas que utilizam sistema solar e comunicação via satélite.

Leia mais: Agrogalaxy cria instituto para impulsionar inovação e sustentabilidade no agronegócio

Para o segundo lugar, com o prêmio de R$ 100 mil, o instituto escolheu a Dana Agro, startup de pesquisa e desenvolvimento com escritório em Tarumã (SP). Fundada em 2013 pela agrônoma Dana Meschede, integrante da lista Forbes das 100 Mulheres Poderosas do Agro, a empresa desenvolve um produto que minimiza a resistência de plantas daninhas em diferentes tipos de cultura.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O instituto também escolheu a Solusolo, de Varginha (MG), para receber o apoio de R$ 50 mil. A empresa de fertilizantes trabalha com o TMT, insumo agrícola orgânico para recuperação da saúde dos solos degradados pelo cultivo intensivo e agroquímicos.

Além dos prêmios, que totalizam R$ 300 mil em investimentos, as startups selecionadas terão apoio da equipe técnica e dos executivos do Agrogalaxy para implementar as inovações no campo e na divulgação das soluções ao mercado.

Os projetos foram selecionados por uma banca avaliadora composta por nove especialistas do mercado, como Silvia Massruha, pesquisadora da Embrapa Agricultura Digital; Luiz Carlos Dematte Filho, CEO do Grupo Korin, e Erich dos Reis Duarte, pesquisador chefe de tecnologia da AgroGalaxy.

Para Masshura, o instituto foi certeiro na escolha do tema, a agricultura  regenerativa, para seu primeiro desafio. “A agricultura regenerativa engloba dois pilares imprescindíveis para desenvolvimento da agricultura brasileira: sustentabilidade e inovação”, pontua.

O instituto também anunciou hoje (15) que já se prepara para o segundo desafio previsto para ocorrer ainda neste ano.

> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: