BRF recebe habilitação para exportação de carne suína ao Canadá

A abertura do Canadá para o mercado de suínos do Brasil ocorreu na primeira quinzena de março

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Rodolfo Buhrer/Reuters
Rodolfo Buhrer/Reuters

O volume de vendas da BRF nos mercados halal teve aumento de 20,5% ante igual período do ano passado

Acessibilidade


A companhia de alimentos BRF (BRFS3) recebeu sua primeira habilitação para embarque de carne suína ao Canadá, a partir da unidade de Campos Novos, em Santa Catarina, em um momento de abertura do mercado canadense a proteínas do Brasil.

A unidade poderá enviar cortes in natura e congelados, informou a BRF à Reuters hoje (13).

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Trata-se da segunda autorização canadense a uma planta da empresa neste ano. Em maio, a unidade de Toledo (PR) foi habilitada para exportação de carne de aves cozida.

“Esta nova certificação é um marco, pois simboliza a abertura de um importante mercado para um novo tipo de produto, criando a possibilidade de que novas autorizações surjam em breve e impactando positivamente nosso volume de exportações”, disse em nota o vice-presidente de Mercado Internacional e Planejamento da BRF, Leonardo Dall’Orto.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A abertura do Canadá para o mercado de suínos do Brasil ocorreu na primeira quinzena de março. Desde então, sete fábricas foram habilitadas, sendo a da BRF a oitava, conforme informações da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

A Seara Alimentos, controlada pela JBS, tem duas unidades aprovadas; assim como a Cooperativa Central Aurora e a Pamplona Alimentos. A Master Agroindustrial conta com uma habilitação.

“Embora seja o terceiro maior exportador global de carne suína (em 2021, o país exportou 1,5 milhão de toneladas), o Canadá também é um comprador relevante no mercado internacional. Em média, o país importa 250 mil toneladas anualmente”, disse a ABPA em nota.

O setor de carne suína atravessa um cenário adverso, diante do recuo da China nas compras da carne, à medida que o rebanho do país asiático é recomposto após a crise sanitária causada pela peste suína africana.

As exportações de carne suína (in natura e processada) do Brasil alcançaram 510,2 mil toneladas no primeiro semestre de 2022, volume 9,3% menor que o acumulado nos seis primeiros meses do ano passado, segundo dados da ABPA.

Compartilhe esta publicação: