Brasil entra no top 10 de países que mais instalaram energia solar em 2020

Bruno Kelly/Reuters
Bruno Kelly/Reuters

O maior país da América Latina registrou 3,15 gigawatts (GW) em novos empreendimentos de geração solar ao longo do ano passado

O Brasil entrou na lista dos dez países que mais instalaram sistemas de energia solar no mundo em 2020, mesmo com impactos da pandemia de Covid-19 sobre o mercado do setor, mostraram hoje (24) dados da IEA (Agência Internacional de Energia) compilados pela Absolar.

O maior país da América Latina registrou 3,15 gigawatts (GW) em novos empreendimentos de geração solar ao longo do ano passado, e alcançou com isso a nona colocação do ranking global, liderado por China, Estados Unidos, Vietnã, Japão e Alemanha.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

O desempenho, que levou o Brasil a superar a Holanda, foi o melhor já atingido pelo país, que havia entrado no seleto “top 10” do setor antes apenas em 2017, quando ficou na 10ª colocação. Em 2019, o país esteve em 12° lugar.

Questionada sobre projeções para 2021, a Absolar não quis fazer uma estimativa específica, mas disse que “a expectativa é de subir no ranking”, dado o momento aquecido da indústria solar no país.

A entidade calculou que o setor solar movimentou cerca de R$ 15,9 bilhões em investimentos locais em 2020, enquanto para este ano as projeções apontam para aportes ainda maiores, estimados em R$ 22,6 bilhões.

Os fortes números vieram mesmo com o setor também sofrendo efeitos negativos da pandemia global de Covid-19, que teve o Brasil como um dos países mais atingidos.

As importações de equipamentos solares por empresas no Brasil despencaram a partir de abril, sob impacto de medidas de isolamento decretadas por prefeituras e governos para tentar conter a disseminação do vírus, mas voltaram a crescer no segundo semestre.

Detalhes

Segundo a Absolar, cerca de 80% das instalações fotovoltaicas no Brasil em 2020 foram de sistemas menores, conhecidos como geração distribuída, que geralmente envolvem placas solares em telhados para atendimento à demanda de consumidores residenciais ou empresas.

Também chamadas pela sigla “GD”, essas instalações somaram 2,5 GW em capacidade no país no ano passado, contra quase 617 megawatts de usinas de geração centralizada, de maior porte.

Neste ano, somados esses dois mercados, a expansão de capacidade poderia atingir 4,9 gigawatts, quase 56% superior à vista em 2020, segundo projeções da Absolar.

O crescimento deverá ser novamente puxado pelas instalações de geração distribuída, com aumento de 3,9 GW, enquanto grandes usinas somariam 1,1 GW.

Apesar do ritmo de expansão acelerado, a fonte ainda tem participação pequena na matriz elétrica do Brasil – usinas solares de grande porte respondem por menos de 2% da capacidade instalada atual, segundo dados da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica). Mas a tecnologia tem avançado rapidamente nos últimos anos, principalmente com impulso dos sistemas de geração distribuída, que foram em 2020 os com maior crescimento entre todas fontes de energia no Brasil.

A Agência Internacional de Energia disse em outubro de 2020 que a energia solar deve comandar uma disparada na geração renovável prevista para a próxima década no mundo, confirmando-se como “nova rainha” dos mercados globais de eletricidade. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).