Apresentado por       

De banheiros inteligentes a fazendas verticais, como a bioeconomia circular pode combater a crise climática

A biomassa, que hoje representa cerca de 25% dos 100 bilhões de toneladas de materiais usados pelo homem, deve ser a chave para um mundo mais verde .

David Vetter
Apresentado por       
Compartilhe esta publicação:
JohnnyGreig/Gettyimages
JohnnyGreig/Gettyimages

Fazendas verticais em sistema de hidroponia começam a se tornar realidade em várias partes do mundo

Acessibilidade


Foi um verão cruel. A pandemia continua a grassar, enquanto grandes partes do mundo estão em chamas. Na semana passada, um importante relatório da ONU (Organização das Nações Unidas) alertou que o tempo está se esgotando para manter o aquecimento global dentro de limites administráveis ​​(embora ainda induza à crise).

No entanto, mesmo em face dessas ameaças, a pesquisa continua a oferecer maneiras inovadoras de repensar a relação da humanidade com o mundo natural e, potencialmente, evitar os piores impactos dos danos que o “business as usual” causou. Caso em questão: um artigo de pesquisa, publicado na Nature Food no mesmo dia em que o relatório do IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas), propõe o desenvolvimento de uma “bioeconomia circular”, que segundo os autores pode dar conta dos desafios conjuntos do declínio da biodiversidade e das mudanças climáticas. A resposta, dizem eles, está na maneira como usamos a biomassa.

LEIA TAMBÉM: Peste Suína Africana nas Américas reacende preocupação com pandemia

Biomassa descreve qualquer material orgânico proveniente de plantas e animais. De vegetais e carne para consumo humano e animal, matérias-primas para roupas, safras e fontes utilizadas para produzir combustíveis, dependemos disso. Mas a forma como usamos a biomassa é extremamente extrativa: ela se baseia, principalmente, na colheita de material virgem, selvagem ou cultivado com o propósito de ser consumido. Isso leva diretamente ao desmatamento, poluição da água e do solo, esgotamento de nutrientes do solo, secas, perda de espécies e uma série de outros danos.

Na opinião de pesquisadores da Wageningen University and Research, da Holanda, isso tem que mudar. “Quanto menos biomassa colhermos da biosfera e quanto mais circulares e regenerativos forem nossos sistemas de produção de biomassa, menor será o impacto sobre a biodiversidade”, disse a autora do estudo, Abigail Muscat. “Isso ocorre porque estamos reduzindo a necessidade de explorar os ecossistemas naturais e aumentando a biodiversidade nos ecossistemas manejados ou agrícolas, como aquicultura, pesca e silvicultura.”

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A biomassa representa cerca de 25% dos 100 bilhões de toneladas de materiais que os humanos consomem todos os anos, mas a capacidade dessa matéria orgânica de combater impactos nocivos e contribuir para a vida na Terra a torna excepcionalmente valiosa. Os defensores da bioeconomia circular, como HRH o Príncipe de Gales, dizem que mudar radicalmente a forma como consumimos essa biomassa ajudará a combater a longa lista de danos ambientais mencionados anteriormente.

Na frente climática, a circularidade reduz as emissões por meio da conservação de recursos, da redução da necessidade de fertilizantes artificiais e do aproveitamento de fontes orgânicas de energia, como o biogás de resíduos. Uma bioeconomia circular também ajudaria as nações a se adaptarem às mudanças climáticas, por exemplo, ajudando a preservar as defesas costeiras naturais, como manguezais. Muitos desses relacionamentos estão bem documentados e se sobrepõem às abordagens de “soluções baseadas na natureza” abordadas anteriormente nesta coluna.

Alcançar a visão dos pesquisadores, no entanto, exigirá uma abordagem totalmente nova para o consumo.“A bioeconomia circular não significa que cortamos e colamos nossa economia atual e a tornamos de base biológica”, disse Abigail. “Isso provavelmente levaria a mais desmatamento, mais emissões de gases de efeito estufa. Trata-se realmente de fazer um balanço da parte da economia que é de base biológica e usá-la melhor.”

Para ajudar as pessoas a projetar tais sistemas, Abigail e seus colegas autores elaboraram cinco princípios a serem aplicados ao uso da biomassa. São estes:

Salvaguarda: conservar e regenerar ecossistemas, por exemplo, evitando o desmatamento e empregar rotações de culturas diversas que melhoram a saúde do solo.

Evitar: parar com o uso de produtos não essenciais de base biológica, como o esbanjamento de recursos da indústria da “fast fashion”.

Priorizar: usando biomassa principalmente para as necessidades humanas mais importantes, como alimentos e produtos farmacêuticos.

Reciclar: por exemplo, fazendo um melhor uso dos resíduos humanos e animais na agricultura e usando subprodutos humanos na alimentação animal.

Entropia: usar menos energia ao trabalhar com a natureza em vez de contra. Exemplos de tais sistemas incluem a aquicultura multiespécies de ciclo fechado, onde os resíduos produzidos por uma espécie de peixe são usados ​​por outra espécie para alimentação.

Um exemplo de processo favorável à biomassa que atende a todos os cinco princípios é alimentar o gado apenas com alimentos que os humanos não comem. Atualmente, um terço dos cereais cultivados globalmente são usados ​​para alimentar o gado e um terço das terras aráveis ​​é usado para a produção de ração animal. Os pesquisadores dizem que isso é um desperdício desnecessário. Além de encorajar as pessoas a comer menos carne, eles dizem, utilizar pastagens que não são adequadas para a produção agrícola, bem como alimentar o gado com ração de resíduos gerados pela produção de alimentos humanos, como farelo e soro de leite, pode ajudar eliminar a “competição” alimentar entre humanos e animais domésticos. Entre muitos outros benefícios, a pesquisa sugere que, em comparação com cenários de “negócios como de costume”, tal estratégia levaria a 18% menos terra arável sendo usada, 36% menos energia não renovável sendo gasta, 22% menos uso de pesticidas e 21% menos água doce sendo consumida.

A biomassa para combustível também oferece uma solução ganha-ganha para os problemas de emissões de gases de efeito estufa e esgotamento de recursos – mas apenas quando essa biomassa vem de resíduos (e, mais importante, não de safras cultivadas especificamente para se transformar em combustíveis como o bioetanol). “Quando o biogás é alimentado por resíduos de alimentos e lama em vez de milho e capim, pode levar a uma redução de 14% no potencial de aquecimento global e 67% no esgotamento de recursos”, disse Abigail.

Os mesmos princípios também devem ser aplicados a ambientes urbanos, dizem os pesquisadores. Eles prevêem que as cidades façam sua parte no “ciclo de nutrientes” por meio do desenvolvimento de hortas e fazendas comunitárias urbanas, paredes e telhados verdes, jardins pluviais e grandes parques e árvores que permitam melhor resfriamento e qualidade do ar. Aumentar o uso de madeira para arquitetura nas cidades pode ajudar a atuar como sumidouro de carbono. Enquanto isso, a água pode ser conservada por meio do uso da chuva e sistemas de gerenciamento de água que reutilizam aquela servida de pias e lava-louças para descargas de vasos sanitários e irrigação. Banheiros inteligentes que usam menos água, enquanto separam tipos de dejetos humanos, podem permitir que as instalações de esgoto municipais gerem composto e biogás.

Para uma ilustração detalhada de como pode ser uma bioeconomia circular, este exemplo, produzido em 2020 por uma equipe de fazendeiros holandeses, representantes agrícolas e cientistas, prevê um “re-enraizamento” completo do sistema alimentar da Holanda até 2050. A visão estabelecida é assumidamente ousada; uma “mudança fundamental” na forma como a sociedade se aproxima e consome os alimentos. “Este sistema não será mais regido pelo mercado livre”, escrevem os autores, em vez de se basear em “um sistema de mercado inclusivo que reconhece o valor dos bens públicos, como ar puro, água limpa, solo saudável e diversidade de espécies e paisagens.”

Os críticos poderiam facilmente descartar tais projetos como fantasia utópica. Mas os proponentes, de fazendeiros e cientistas holandeses ao príncipe Charles, acreditam que essa mudança transformadora será essencial para que as sociedades humanas possam enfrentar totalmente as crises gêmeas do clima e da biodiversidade.

Quais são as chances da sociedade humana estar disposta e ser capaz de reequipar a economia de maneiras tão radicais? “Acho que, se formos ambiciosos, podemos fazer um grande progresso em apenas cinco anos”, disse Abigail. “No entanto, esse conceito ainda é relativamente novo, é ambicioso e nem vejo vontade política suficiente para soluções que são conhecidas há décadas, como as energias renováveis ​​e a agroecologia. Então, certamente, um dos maiores desafios é político.”

Por outro lado, ela acrescentou, com o relatório do IPCC fresco na mente de todos e eventos climáticos extremos ganhando ritmo e ferocidade, os legisladores podem descobrir que há um apetite público crescente por estratégias ousadas e comprováveis ​​que oferecem vários benefícios. “Este verão foi apocalíptico e assustou muitos cientistas. Espero que também assuste os políticos ”, disse ela.

* David Vetter é jornalista colaborador da Forbes, mestre pela Cardiff University, no Reino Unido, na área de estudos internacionais, tendo como principais interesses a descarbonização e o desenvolvimento de economias circulares.


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: