Baixio, a vila baiana que promete virar novo destino dos ricos e famosos

Divulgação
Igrejinha no Baixio: nas próximas décadas, empreendimento erguerá na região quinze hotéis

Localizada a 126 quilômetros de Salvador, a Vila do Baixio passa no momento por um processo que promete transformar radicalmente aquele pedaço do litoral norte baiano. O local, que atualmente concentra menos de dez pousadas, abrigará uma série de condomínios de alto padrão, imóveis comerciais, resorts e um hotel da rede Fasano. A ideia é fazer frente a redutos vizinhos como a Praia do Forte e, mais ao Sul, Trancoso, ambos destinos de ricos e famosos de todo o Brasil.

LEIA TAMBÉM: Sig Bergamin: “Hoje todo mundo se acha demais”

O projeto para a região é tão ambicioso que a empresa responsável, a Prima Empreendimentos, o dividiu num plano de cinquenta anos. A primeira etapa está prevista para entrega em 2019, e consiste num condomínio com apartamentos de dois e três quartos, além de casas com até 250 metros quadrados.

São dimensões modestas perto das do terreno que o projeto pretende ocupar, que é de mais de 62 milhões de metros quadrados. Só a faixa de frente de praia tem 12,8 quilômetros de extensão.

  • Perspectiva do Condomínio Ponta de Inhambupe, fase inicial do projeto, cuja entrega está prevista para 2019

  • O Baixio pertence ao município de Esplanada, e tem cinco lagoas, formadas por catorze nascentes. Aqui, a do Mamucabo encontra o mar

  • Vista interna do condomínio, que terá casas de até 250 metros quadrados

  • A Vila do Baixio: atualmente, há cerca de dez pousadas, e o turistas visitam para conhecer belezas naturais, surfar e fazer atividades off-road

  • A Lagoa Verde, uma das atrações locais

Perspectiva do Condomínio Ponta de Inhambupe, fase inicial do projeto, cuja entrega está prevista para 2019

Parceira do Fasano no recém-inaugurado endereço de Salvador, a Prima pretende trazer hotéis de outras bandeiras — ao todo, quinze estabelecimentos, com até 180 quartos — e abrigar doze pousadas de até quarenta habitações cada uma. Estão previstas 8431 residências, dois campos de golf, 850 pontos comerciais e 867 moradias para funcionários. Ao todo, a área construída autorizada e de 11,2 milhões de metros quadrados.

Segundo a empresa, os estudos de impacto ambiental, bem como as solicitações das licenças necessárias, consumiram cerca de cinco anos de trabalho e envolveram escritórios de arquitetura e engenharia nacionais e internacionais.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).