Famosa marca de champanhe lança bebida de 50 anos

Nova coleção da Piper-Heidsieck terá apenas 2.021 garrafas da bebida com valor sugerido de cerca de R$ 2.700 cada.

Cathrine Todd
Compartilhe esta publicação:
Divulgação/Piper-Heidsieck
Divulgação/Piper-Heidsieck

Champanhe Hors-Série 1971 terá apenas 2.021 garrafas e custa cerca de R$ 2.700

Acessibilidade


Escondido ao norte dos limites da área de cultivo de uvas para vinho, na aclamada região de Champagne, França, um jovem adolescente fica arrasado ao ver quanto das uvas de sua família foram dizimadas pelo granizo, após a segunda tempestade em dois meses. Foi uma estação de crescimento difícil – geadas na primavera, matando inicialmente alguns dos botões que potencialmente se tornariam cachos de uva, o clima frio durou até junho, mas depois tornou-se repentinamente muito quente com tempestades consecutivas. Quando criança, os vinhedos sempre foram um lugar mágico e nenhum outro trabalho na terra parecia ser tão maravilhoso, mas agora, chegando à idade adulta, o trabalho árduo e o sentimento de desamparo enquanto a mãe natureza ditava o futuro da colheita tornavam-no um trabalho opressor com momentos de desespero. Mas para este jovem não havia outro caminho tão diferente quanto chegar ao topo de uma das principais casas de champanhe, que eram as compradoras de suas uvas e tinham uma imagem de um estilo de vida luxuoso e alcance global, os produtores de uva da família tinham uma vida simples de fazendeiros e por gerações isso foi a única opção para aqueles nascidos para serem produtores.

Essa safra acabou produzindo uvas concentradas devido ao baixo rendimento, além de conter grande frescor devido aos longos períodos de frio e hoje está sendo lançada, 50 anos depois, pela Piper-Heidsieck, como um engarrafamento de edição especial denominado Hors-Série 1971 – com apenas 2.021 garrafas disponíveis, com preço de varejo sugerido de R$ 2.719 (US$ 499). Esta é a primeira oferta de uma nova coleção criada por seu enólogo chefe, Émilien Boutillat, que assumiu em 2018 no lugar do premiado enólogo Régis Camus, que se concentra apenas ao “tête de cuvée” (tipo de champanhe muito exclusivo) Rare Champagne da Piper-Heidsieck. Émilien também é o filho do viticultor da região de Champagne que se lembra da safra de 1971 como se fosse ontem.

LEIA TAMBÉM: Lista traz acessórios para donos e entusiastas de carros e motos

Um pé no clássico e outro no novo

Aos 36 anos, Émilien Boutillat já conquistou muito mais do que seu pai poderia imaginar. Ele deixou a região de Champagne para frequentar uma universidade no sul da França e receber dois diplomas, um em vinificação e outro em viticultura, e depois da universidade trabalhou no Château Margaux em Bordeaux e na região de Châteauneuf-du-Pape antes de partir para o resto do mundo com passagens pela Nova Zelândia, Califórnia, Chile e África do Sul; cada experiência rendendo mais conhecimentos, que incluíam técnicas variadas nas vinhas e adegas, além da aprendizagem sobre várias culturas e línguas.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Depois de um período na África do Sul, ele decidiu voltar a Champagne sem quaisquer perspectivas, mas queria tirar um tempo para descobrir onde iria construir sua carreira de vinicultor. Depois de passar um tempo desempregado, recebeu uma oferta de trabalho no Chile que lhe permitiria se estabelecer como enólogo-chefe lá, mas aquele tempo ocioso em casa com sua família, no lugar onde cresceu, o fez pensar que embora fosse uma grande oportunidade, da qual poderia se arrepender de perder, que queria voltar para casa definitivamente e se arriscar em Champagne. Começou a trabalhar para algumas casas de champanhe e até foi mestre de adega da Champagne Cattier até outubro de 2018, quando recebeu a oferta de emprego como enólogo-chefe e mestre de adega em Piper-Heidsieck. A equipe da Piper-Heidsieck achou que Émilien era a escolha ideal, pois ele tem um profundo respeito pelas tradições da região de Champagne, que pulsam em seu sangue, e também tem uma abordagem de mente aberta respaldada por uma quantidade enorme de experiências diferentes que o farão guiar a Piper-Heidsieck ao próximo nível.

E certamente Émilien tem um grande lugar a ocupar, já que seu antecessor, Régis Camus, ganhou o título de “Enólogo de Espumante do Ano” oito vezes pelo International Wine Challenge e contribuiu para trazer outro nível de complexidade para Piper-Heidsieck com o uso de uma grande porção de vinhos de reserva (vinhos mais antigos mantidos em casas de champanhe para serem misturados posteriormente) e em busca de vinhedos especiais, mesmo que não sejam oficialmente projetados Grand ou Premier Cru, que trazem uma elegância geral e equilíbrio a cada “cuvée” (produto de qualidade superior). Mas Émilien já começou muito bem ao ganhar o título de “Enólogo Espumante do Ano” em 2021 pelo International Wine Challenge no início deste ano.

Hors-Série 1971

Piper-Heidsieck deu a Émilien a liberdade de explorar o passado e o futuro do champanhe com uma nova coleção criada por ele, chamada Hors-Série, que é o nome francês usado para uma edição especial. E os vinhos desta coleção serão extraordinários – cada um de uma forma única. A primeira oferta desta coleção é a vindima de 1971 com 50 anos que envelheceu nas suas borras (partículas que se precipitam durante a segunda fermentação em garrafa resultando em maior complexidade e textura) durante mais de 49 anos. Enquanto Émilien conversava com a equipe da Piper-Heidsieck, ele descobriu que o 1971 era um vintage que poderia estar em um ótimo lugar atualmente, pois exibia notas de frutas vibrantes e brilhantes do passado, conforme provaram as garrafas em sua adega ao longo dos anos. E o próprio Émilien ficou chocado com o frescor do vinho quando o provou e por isso soube que esta seria a primeira bebida ideal para homenagear o passado, honrando os enólogos anteriores — o enólogo responsável pela safra e os outros dois que o provaram ao longo dos anos, ambos decidindo guardá-lo até que estivesse em seu estado ideal, assim como todos os viticultores cujas uvas entraram naquela garrafa durante aquela difícil safra.

Émilien contribuiu pessoalmente para o vinho, escolhendo um Chardonnay 2019 que não passou pela conversão malolática de ácido málico em ácido lático mais macio para encher cada garrafa depois de perder um pouco de vinho uma vez que as borras foram extraídas durante o despejo. Mas seu pequeno ajuste dos tempos modernos, como o atual produtor de vinho, é outra piscadela para o passado, já que a regra para Piper-Heidsieck na década de 1970 era fazer apenas vinhos que bloqueavam o malolático, ao contrário de hoje, com alguns lotes sendo autorizados a passar pela conversão enquanto outros não, dependendo do que dará equilíbrio a cada lote particular de vinho.

A coleção Hors-Série não só vai liberar safras do passado, mas vai lançar vinhos que são considerados únicos em algum aspecto e podem mostrar blends recentes com opções de vinificação mais fortes, ou mostrar como estão combatendo as mudanças climáticas com o aumento das temperaturas, em lançamentos futuros. Émilien lembra que a coleção Hors-Série é “um coringa” e ele tem carta branca para fazer com ela o que quiser, desde que respeite as características e o estilo que são importantes para Piper-Heidsieck.

Quando Émilien é questionado se alguma vez pensou em voltar para Champagne e se tornar o chefe da adega de uma casa de champanhe, ele disse que nunca poderia imaginar isso, já que dava um passo de cada vez, apenas se sentindo feliz por ter oportunidades que seu pai e as gerações anteriores não tiveram no passado. Ele poderia facilmente ter acabado do outro lado do mundo, ajudando a moldar uma região vinícola completamente diferente. Mas naquele momento de descanso e reflexão, quando voltou para Champagne depois de trabalhar em todo o mundo, sabia que precisava ficar um pouco para ver se era possível se tornar o enólogo-chefe de uma casa de champanhe, algo que ele não conseguia imaginar quando era mais jovem. Mas hoje ele não é apenas o enólogo-chefe e mestre de adega de uma das melhores casas da região, mas a lidera para o futuro – o filho de um viticultor que anos atrás parecia limitado em suas escolhas de vida e no que ele poderia oferecer para o futuro de seus filhos.

Aroma de flores

A embalagem é tão única quanto o que está na garrafa do Hors-Série 1971 já que o rótulo é tradicionalmente estilizado, mas a tampa tem cores que apontam para a era dos anos 1970, quando havia muita experimentação e exploração do pensamento “fora da caixa” acontecendo em todo o mundo. Cada caixa de presente é feita 100% de carvalho e por isso as cores e os veios são diferentes para cada uma delas e Émilien nota que embora a 1971 tenha sido misturada e engarrafada ao mesmo tempo, mantida no mesmo lugar e eventualmente despejada ao mesmo tempo, cada garrafa tem diferenças sutis porque o longo tempo de envelhecimento traz diferentes nuances a cada garrafa e é por isso que essa caixa de presente é adequada. Mas ele também garante que cada frasco foi verificado para garantir que não esteja oxidado antes do lançamento, pois aqueles que tinham defeitos foram descartados.

Piper-Heidsieck, Hors-Série 1971: 50% Pinot Noir e 50% Chardonnay de 12 vinhedos diferentes de 12 Cru em Champagne, principalmente vinhedos Grand Cru e Premier Cru das sub-regiões Montagne de Reims e Côte des Blancs de Champagne. Aromas de flores cítricas com flores brancas secas e sabores de creme de limão misturados com casca de limão fresca, brioche, notas de noz-moscada e uma nota subjacente de mineralidade calcária com textura cremosa e bolhas finas que tem muita vitalidade e energia no final longo. Despejado em fevereiro de 2021 com apenas 2.021 garrafas no mercado, cada uma numerada individualmente.

Compartilhe esta publicação: