Os melhores e os piores passaportes do mundo: Brasil está em 20º lugar

Alex Ledsom
Compartilhe esta publicação:
Getty Images
Reprodução/Forbes

Depois de dois anos vivendo uma pandemia global e agora com uma guerra dentro das fronteiras europeias, poder de certos passaportes mudou

Acessibilidade


Passaportes não são apenas para atravessar fronteiras; trata-se de ter direitos ao visitar outros países que melhorem a qualidade de vida de alguém – o direito de permanecer por um longo período de tempo, o direito de viajar para países vizinhos, o direito à saúde, escola e procurar trabalho.

Depois de dois anos vivendo uma pandemia global e agora com uma guerra dentro das fronteiras europeias, fica claro que o poder de certos passaportes mudou, possivelmente pelas próximas décadas.

Leia mais: Forbes Travel Guide lista os melhores hotéis, restaurantes e spas de alto luxo de 2022

Existem várias organizações que monitoram o poder dos passaportes em todo o mundo (o Henley Passport Index é um deles) – rastreando a quantos países um passaporte pode fornecer acesso, sem a necessidade de visto prévio. Uma atualização recente do índice global de passaportes de Henley fornece ampla prova de que a guerra mudou radicalmente o poder dos passaportes ucranianos e russos.

Desde que a Rússia invadiu a Ucrânia, os países da UE reduziram radicalmente as viagens para portadores de passaporte russo, bloqueando o espaço aéreo para aviões russos, proibindo indivíduos de viajar e parando de processar vistos e pedidos de passaporte dourado para portadores de passaporte russo – conforme relatado por Henley, “condenando efetivamente o passaporte russo ao status de lixo em grande parte do mundo desenvolvido”.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Por outro lado, os portadores de passaporte ucraniano têm novos direitos de viver e trabalhar na Europa por até 3 anos, elevando efetivamente sua classificação global para um recorde de 34º lugar (tendo subido 26 lugares desde 2012), com a Rússia agora em 49º lugar com “uma lacuna que provavelmente aumentará ainda mais nos próximos meses como resultado do conflito”.

Leia mais: Saiba qual é a melhor praia do mundo, segundo premiação

Atualmente, Japão e Cingapura estão em primeiro lugar, com seus portadores de passaporte capazes de acessar 192 destinos em todo o mundo sem visto (isso não leva em consideração as atuais restrições de viagem do Covid-19).

Alemanha e Coreia do Sul estão em segundo lugar, com uma pontuação de isenção de visto/visto na chegada de 190, enquanto Finlândia, Itália, Luxemburgo e Espanha dividem o 3º lugar, permitindo que seus portadores de passaporte acessem 189 destinos ao redor do mundo sem ter que adquirir um visto com antecedência.

O Reino Unido, que recentemente descartou todas as restrições de viagem Covid-19 existentes, está agora em 5º lugar, enquanto os EUA estão um lugar atrás, em 6º lugar.

O Brasil se manteve no 20º lugar, com acesso livre a 169 destinos no mundo. O Afeganistão está na parte inferior do índice, com seus portadores de passaportes capazes de acessar apenas 26 destinos sem visto.

No entanto, enquanto a atual crise geopolítica está causando ondas de choque em todo o mundo, muitos cientistas preveem que são as mudanças climáticas que terão o maior impacto no deslocamento nos próximos 25 anos.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a lista Forbes Under 30 2022

Compartilhe esta publicação: