Por que novo Grand Cherokee L é amostra de luxo inédita da Jeep

Na quinta geração, SUV renasce das cinzas com versão de sete lugares, bancos que aquecem e fazem massagem e sistema de som McIntosh. Só falta desembarcar no Brasil

Rodrigo Mora
Compartilhe esta publicação:
(Divulgação)
(Divulgação)

Jeep Grand Cherokee chegou à quinta geração nos EUA

Acessibilidade


No final da primeira metade dos anos 1990, o Jeep Grand Cherokee estreou no Brasil como um dos carros mais luxuosos, potentes e cobiçados do mercado nacional.

Hoje na quarta geração, experimenta o ostracismo. Virou uma espécie de Rocky Balboa dos carros: já foi imbatível um dia, inspirou muita gente a se aventurar no esporte, mas hoje é um ídolo do passado.

Seria preciso uma renovação profunda para devolver ao SUV a glória de outrora. Pois foi o que fizeram na quinta geração, já lançada lá fora e com as malas prontas para o Brasil. A versão híbrida 4xe já foi confirmada; dúvida é se o Grand Cherokee L, aqui avaliado em primeira mão, vem também.

(Divulgação)
(Divulgação)

Se for lançado no Brasil, Grand Cherokee L será modelo topo de linha da marca por aqui

Pela primeira vez em quase trinta anos o Grand Cherokee é equipado com dois bancos extras – daí o sobrenome “L”. Poderia até ser um movimento arriscado para um ícone com papel tão bem definido no universo automotivo, tendo equilibrado como poucos competências dentro e fora de estrada, arrematadas com conforto e status.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Leia mais: XC90 ganha mais autonomia para não depender de gasolina na cidade

Mas, para quem se apresentou ao mundo estilhaçando uma parede de vidro em pleno Salão de Detroit, levar dois ocupantes a mais soa quase trivial.

Esta quinta geração talvez marque a maior ruptura de um Grand Cherokee para o próximo. Baseada na arquitetura WL – que a Jeep garante ter sido projetada a partir do zero – , a nova encarnação do SUV tem apenas 29% de sua estrutura monobloco em aço convencional, servindo-se mais de aços de alta resistência e alumínio.

(Divulgação)
(Divulgação)

Teto solar panorâmico é de série no Jeep Grand Cherokee L Summit

Resultado: o Grand Cherokee L é apenas 31 kg mais pesado do que o Grand Cherokee de duas fileiras da geração anterior (WK2). Sobrepondo o atual e o antigo, são 4,91 metros de comprimento, 2,96m de entre-eixos e 1,80m de altura ante 4,82m, 2,91m e 1,76m, respectivamente.

Quando a comparação é com o Grand Cherokee L, então…Aí são 5,20 m de para-choque a para-choque e 3,09 m do eixo dianteiro ao traseiro – entre os quais quase daria para estacionar um Fiat Mobi, que tem 3,60 m. E ainda assim a carroceria está 13% mais resistente a torções.

Apenas os motores conhecidos há tempos – o Pentastar 3.6 V6 de 297 cv e o Hemi 5.7 V8 de 362 cv – parecem intrusos num carro que praticamente manteve apenas o nome e a glória do anterior.

(Divulgação)
(Divulgação)

SUV esbanja elegância por todos os ângulos

Massagem e silêncio

Foram 20 dias de convivência com o Grand Cherokee L Summit no México, mercado apinhado de Cadillac Escalade e Lincoln Navigator, ícones de luxo para os norte-americanos. Mesmo os donos desses modelos, indivíduos da elite mexicana, olhavam para o Jeep com admiração e surpresa.

(Divulgação)
(Divulgação)

Nível do acabamento interno não fica atrás do de alemães e ingleses

De dentro do jipão, o bagunçado e barulhento trânsito mexicano parecia bem menos bagunçado e barulhento, tal a eficiência do isolamento acústico.

A tal ruptura da quarta para quinta geração não se limita a questões estruturais: sair do antigo e entrar no novo é como fazer check-out em um hotel quatro estrelas e em seguida check-in num de cinco.

(Divulgação)
(Divulgação)

Nos dias frios, pode-se aquecer o volante; nos quentes, é só resfriá-lo

Bruto no tamanho, o Grand Cherokee é generoso com os ocupantes: volante com aquecimento, câmera de visão noturna que detecta pedestres e animais, sistema de som McIntosh com 19 alto-falantes e 835 watts de potência, quatro tipos de massagem para motorista e passageiro da frente, bancos dianteiros e da segunda fileira com aquecimento (os dianteiros com ventilação, controle de cruzeiro adaptativo, frenagem autônoma de emergência e assistente de manutenção de faixa são algumas das benesses disponíveis.

Acabamento impecável mistura metal, couro e madeira, aqui opaca – até quem não gosta desse tipo de material se impressiona. O capricho dos bancos e forros das portas põem o Jeep no mesmo patamar de ingleses e alemães.

(Divulgação)
(Divulgação)

Espaço é generoso com todos os ocupantes; terceira fileira acomoda melhor crianças

Sobra, claro, espaço para todos. Para o motorista a ergonomia é irretocável. Quem está acostumado com o descanso de pé recuado e número 36 da dupla Commander/Compass, encontra no Grand Cherokee um suporte bem mais avançado e número 48. Em outras palavras, enquanto os Jeeps nacionais suportam o pé da Cinderela, o Jeep estadunidense encara o pé do Shrek.

Segunda fileira igualmente espaçosa e a terceira pode até levar um adulto por pequenos trajetos. O sistema de acesso para os fundos é simples, mas uma criança de 6 anos não conseguiu operá-lo. Com tanto luxo, faltou ali um acionamento elétrico.

(Divulgação)
(Divulgação)

Jeep Grand Cherokee L

V8 raiz

Equipado com o veterano 5.7 V8 Hemi, de 362 cv e 53,9 kgfm de torque, o GCL tem transmissão automática de oito marchas, cujas trocas são aveludadas quando o acelerador é tratado com carinho. Se o condutor afunda o pé, as passadas de marcha mostram que o câmbio pode ser bem rápido em orquestrar a força despejada nas quatro rodas.

Embora nem sempre seja nas quatro, pois há um recurso neste Grand Cherokee que desconecta a tração do eixo dianteiro quando não há demanda. Não houve oportunidade para um teste off-road. E isso pode dizer algo sobre a aura ao redor do Grand Cherokee: alguém tem coragem de duvidar da habilidade aventureira de um carro com tamanha experiência no assunto e que, agora, oferece três tipos de sistema 4×4?

Além do Quadra-Trac I, há o Quadra-Trac II com caixa de transferência de duas velocidades e o sistema Quadra-Drive II, com reduzida e diferencial traseiro de deslizamento limitado controlado eletronicamente.

Só não podemos esperar economia, o que me parece evidente para um V8 de mais de 5 metros de comprimento: segundo a agência responsável pela aferição de consumo dos EUA (EPA), a média é de 7,2 km/l.

A suspensão a ar e a direção leve e precisa são os arremates de uma dirigibilidade que pode ser extremamente confortável numa tocada mais serena, ou mais empolgante quando não há ninguém pode perto nas sinuosas e bem pavimentadas estradas mexicanas. Abusando numa curva aqui e outra ali, o Grand Cherokee se mostrou impávido.

Mais dinâmico, luxuoso, bonito e equipado do que nunca, o Grand Cherokee será um sucesso por aqui – caso venha.

 

Compartilhe esta publicação: