Petrobras diz que cessão onerosa pode gerar crédito de US$ 14 bi

Reuters
Ministério da Economia negou que pagaria US$ 14 bilhões à Petrobras

A Petrobras disse que a revisão do contrato da cessão onerosa junto à União ainda está sujeita a análise e aprovações por órgãos competentes, mas destacou que um dos cenários considerados pode resultar em crédito a favor da companhia no valor de aproximadamente US$ 14 bilhões, segundo comunicado ao mercado hoje (8).

LEIA MAIS: Ministério da Economia nega pagamento de US$ 14 bi à Petrobras

A afirmação da petroleira vem após uma reportagem do “Valor Pro” na véspera segundo a qual a União deverá pagar esse valor à estatal na revisão do contrato que garantiu à companhia o direito de explorar seis blocos de petróleo na camada do pré-sal. A notícia impulsionou as ações da estatal.

Ainda na segunda-feira (7), no entanto, o Ministério da Economia negou que pagaria US$ 14 bilhões à empresa e defendeu que o valor constava de um documento apresentado pelo antigo governo às equipes de transição com simulações de vários cenários.

Segundo a Petrobras, que respondeu a questionamento da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a revisão do contrato está sujeita ainda à conclusão da análise pelo Tribunal de Contas da União (TCU), às aprovações pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) e pelos órgãos de governança da estatal.

“A minuta em análise pelo TCU consolida um, dentre cenários que foram discutidos entre as comissões do governo e da Petrobras. Este cenário, após manifestação do TCU e aprovação pelas partes, pode resultar em um crédito a favor da Petrobras no valor de aproximadamente US$ 14 bilhões”, explicou.

“Desta forma, qualquer valor a ser recebido pela Petrobras somente poderá ser confirmado e informado ao mercado a partir da finalização dessas etapas.”

VEJA TAMBÉM: Petrobras recompra títulos no total de US$ 1,113 bi

Na véspera, ao comentar o tema, o Ministério da Economia afirmou que o cenário que levaria ao valor de US$ 14 bilhões “apresentava baixa probabilidade de realização” e defendeu que “a proposta ainda está em debate” no governo.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).