ARM interrompe envios para Huawei

Reuters
A Huawei, como a Apple e a Qualcomm, usa ‘blueprints’ da ARM para projetar os processadores que alimentam seus smartphones

A fabricante de chips britânica ARM suspendeu as relações com a Huawei para cumprir com o bloqueio dos Estados Unidos a empresa, o que pode prejudicar a capacidade da empresa de telecomunicações chinesa de fabricar novos chips para seus futuros smartphones.

LEIA MAIS: Huawei deve perder 50% das vendas sem os serviços do Google

A Huawei, como a Apple e a Qualcomm, usa ‘blueprints’ da ARM para projetar os processadores que alimentam seus smartphones. Também licencia tecnologia gráfica da empresa sediada em Cambridge, que é de propriedade do SoftBank.

Em outro golpe para a gigante de tecnologia chinesa, o conglomerado japonês Panasonic se juntou hoje (23) à crescente lista de empresas globais que estão se distanciando da Huawei, segunda maior vendedora mundial de smartphones e maior fabricante de equipamentos de telecomunicações.

A Panasonic, que fabrica componentes usados em smartphones e linhas de montagem, disse que interrompeu o envio de alguns componentes para a Huawei. Mas a empresa japonesa ainda venderá alguns componentes para a companhia chinesa, um ponto que ficou claro em seu site na China.

Mas o movimento da ARM terá um impacto muito maior sobre a capacidade da Huawei para fazer negócios, particularmente no setor de smartphones, onde a empresa chinesa compete com a Samsung para a liderança global. Os designs de chips da ARM contêm tecnologia de origem norte-americana e são a espinha dorsal dos aparelhos Huawei.

Na semana passada, os Estados Unidos impediram a Huawei de comprar produtos fabricados com 25% ou mais de tecnologias ou materiais originados nos Estados Unidos, acusando a empresa de ser um veículo do poder estatal chinês e uma potencial ameaça à segurança nacional.


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).