Elanco será número 2 em saúde animal após acordo de US$ 7,6 bi

ReproduçãoReuters
Empresa fez acordo por unidade de medicamentos veterinários da Bayer

LEIA MAIS: Intel lança primeiro chip de inteligência artificial

A Elanco Animal Health chegou hoje (20) a um acordo para adquirir a unidade de medicamentos veterinários da Bayer, em um negócio que envolve dinheiro e ações e foi estimado em US$ 7,6 bilhões, criando a segunda maior empresa do setor.

O acordo é o último no crescente mercado de saúde animal, que recentemente viu a separação entre Elanco e Eli Lilly e a rival Pfizer, farmacêutica norte-americana, também dividindo seus negócios em medicina veterinária.

Além disso, a negociação acrescenta mais um nome à lista de ativos vendidos pela Bayer, à medida que a empresa alemã visa reduzir as dívidas provenientes da compra da fabricante de sementes Monsanto, ocorrida no ano passado por US$ 63 bilhões, além de se preparar para possíveis acordos jurídicos por conta do alegado efeito causador de câncer do pesticida Roundup.

As duas companhias afirmaram que a Bayer receberá US$ 5,3 bilhões em dinheiro e US$ 2,3 bilhões em ações da Elanco, com um preço de US$ 33,60 por ação, valor da média de 30 dias em 6 de agosto.

A Elanco disse que a quantia representa 68 milhões de ações, ou uma fatia de 18,2%, segundo dados da Refinitiv, mas o número de ações pode variar em até 7,5%, dependendo da performance da Elanco na data de conclusão.

Pesquisadores do mercado esperam que o setor de saúde animal, de US$ 44 bilhões, cresça entre 5% e 6% ao ano, impulsionado por um aumento na pecuária e, mais importante, pelo crescimento no número de pessoas que desejam possuir animais de estimação e gastar mais com o bem-estar dos pets.

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).