Dólar sobe em 1ª sessão de setembro

iStock
Às 10h05, a moeda norte-americana à vista subia 0,25%, a R$ 4,1523 na venda

O dólar começou setembro em alta ante o real, retomando o patamar de R$ 4,15, depois de no mês passado registrar a maior valorização mensal em quatro anos.

LEIA MAIS: Dólar recua frente ao real em dia de mercado otimista

Às 10h05, a moeda norte-americana à vista subia 0,25%, a R$ 4,1523 na venda. Na B3, o dólar futuro para outubro tinha alta de 0,27%, a R$ 4,1590.

O movimento local espelhava a força do dólar no exterior, com a moeda alcançando máximas em mais de dois anos frente a uma cesta de divisas, enquanto moedas consideradas termômetro de demanda por risco – como os dólares australiano e neozelandês – em queda, ainda sob efeito de tensões do lado comercial.

Os Estados Unidos começaram a impor tarifas de 15% sobre uma variedade de produtos chineses no domingo (1) – incluindo calçados, relógios inteligentes e TVs de tela plana -, enquanto a China começou a cobrar novas tarifas sobre o petróleo norte-americano.

No plano doméstico, os mercados avaliavam ainda a piora na avaliação do governo Bolsonaro, buscando indicações sobre como isso pode afetar a agenda de reformas. A reprovação ao presidente Jair Bolsonaro subiu para 38% em agosto ante 33% em julho, enquanto a aprovação passou de 33% para 29%, de acordo com pesquisa Datafolha divulgada hoje (2).

A combinação entre guerra comercial no exterior, fluxos de saída do mercado local e a crise na Argentina empurraram o real para baixo em agosto, com a divisa brasileira amargando o segundo pior desempenho numa lista de cerca de 30 pares do dólar – melhor apenas que o combalido peso argentino.

Em agosto, o dólar saltou 8,51% ante a moeda brasileira, maior alta mensal desde setembro de 2015 (9,33%).

VEJA TAMBÉM: Dólar recua frente ao real com viés positivo no exterior

“Os fatores que influenciam o real parecem menos atrativos agora do que há apenas um mês”, disseram estrategistas do Goldman Sachs em nota a clientes.

Por isso, os profissionais elevaram as projeções para o dólar. Dentro de três meses, a expectativa agora é que a moeda fique em R$ 4,05 (R$ 3,70 antes). Ao fim de seis meses o dólar deve estar em R$ 3,95, contra R$ 3,65 da projeção anterior. Finalmente, ao término de 12 meses a moeda ficará em R$ 3,85, frente a R$ 3,60 da estimativa anterior.

O Banco Central vendeu nesta segunda-feira US$ 450 milhões em moeda à vista em operação simultânea com a colocação de 9 mil contratos de swap cambial reverso.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).