Ibovespa retoma 101 mil pontos

Paulo Whitaker/Reuters
O Ibovespa subiu 1,27%, a 101.248,78 pontos

Após duas quedas, o Ibovespa retomou o viés positivo hoje (9), diante da melhora da perspectiva para negociações entre EUA e China.

LEIA MAIS: Ibovespa fecha abaixo dos 100 mil pontos

O Ibovespa subiu 1,27%, a 101.248,78 pontos. O volume financeiro da sessão somou R$ 12,65 bilhões.

Enquanto as bolsas de Brasil e Estados Unidos fechavam, porém, novas notícias voltavam a dar um tom pessimista para o andamento das conversas sino-americanas. Surpresa com a decisão do governo dos EUA de incluir companhias chinesas em lista de restrições de comércio, Pequim reduziu expectativas em relação a progresso significativo nas negociações esta semana.

Mais cedo, a notícia de que China ainda estava aberta a fechar um acordo comercial parcial com os EUA foi o que prevaleceu até o fechamento. Em Wall Street, o S&P 500 avançou 0,91%.

Autoridades de alto escalão dos dois países devem se reunir na quinta-feira (10) para novas conversas.

A sessão também foi marcada pela divulgação da ata da última reunião do Fomc, que mostrou que a maioria das autoridades do Federal Reserve defendeu a necessidade de cortar os juros em setembro, mas estão cada vez mais divididas sobre a trajetória futura da política monetária.

No plano doméstico, repercutiu positivamente a aprovação pelos ministros do Tribunal de Contas da União das regras do leilão de áreas petrolíferas do excedente da região conhecida como cessão onerosa, previsto para 6 de novembro.

VEJA TAMBÉM: Ibovespa cai a menor nível em mais de um mês

“Com isso, destrava-se o andamento da reforma da Previdência no Senado, que deve ser concluída no dia 22”, afirmou a Ativa Investimentos.

O IPCA de setembro caiu 0,04%, primeira deflação em 10 meses e o resultado mais fraco no mês em 21 anos e indo abaixo de 3% no acumulado em 12 meses, enquanto o Banco Central indica manterá trajetória de redução de juros.

Economistas do UBS revisaram a projeção para a taxa básica de juros no final de 2019 de 4,75% para 4,5% após o IPCA em setembro.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).