Magazine Luiza busca startups com soluções digitais para varejo

Reuters
O Magazine Luiza deve escolher pelo menos cinco startups para contratação

A varejista Magazine Luiza selecionará em novembro startups com soluções digitais que a ajudem a melhorar a experiência do cliente tanto no comércio eletrônico quanto nas lojas físicas.

VEJA TAMBÉM: Magazine Luiza conclui compra da Netshoes

A iniciativa surge num momento em que as rivais ampliam investimentos em tecnologias para superar desafios logísticos e expandir operações além do varejo tradicional em meio à concorrência cada vez mais acirrada com gigantes internacionais como Amazon.com e Mercado Livre.

Vinte startups serão pré-selecionadas para apresentarem seus serviços em 6 de novembro. O Magazine Luiza deve escolher pelo menos cinco delas para contratação, disse à Reuters a gerente de serviços digitais, Juliana Silva.

“Não há restrições… Queremos engajar startups de todos os lugares e tamanhos a participar e apresentar soluções inovadoras que possam fortalecer nosso negócio”, afirmou a executiva.

De acordo com ele, a Magazine Luiza não tem limitações de orçamento para contratação dos serviços e pode até mesmo avaliar a compra de alguma das startups posteriormente se a parceria se provar bem sucedida.

Nos últimos três anos, a varejista comprou cinco startups por valores não revelados, incluindo a LogBee, de soluções logísticas, e a Softbox, de ferramentas digitais.

LEIA MAIS: Magazine Luiza terá produtos no Carrefour por 6 meses

No fim de junho, a companhia tinha uma posição de caixa de aproximadamente R$ 800 milhões.

As ações da Magazine Luiza subiam cerca de 4% hoje (9), acumulando ganhos de mais de 75% até agora no ano.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).