Volvo vai usar blockchain para monitorar cobalto de baterias

Bob Strong/Reuters
A Volvo, controlada pela chinesa Geely, assinou acordos com CATL e LG Chem

A Volvo Cars anunciou hoje (6) que vai monitorar o cobalto usado nas baterias de seus veículos elétricos com a ajuda da tecnologia blockchain, após firmar acordo com seus dois fornecedores, a chinesa CATL e a sul-coreana LG Chem.

LEIA MAIS: Tudo que você precisa saber sobre os 3 novos modelos da Volvo para 2020

A Volvo, controlada pela chinesa Geely, assinou acordos com CATL e LG Chem cobrindo o fornecimento de baterias durante a próxima década para os modelos Volvo e Polestar da próxima geração, incluindo o recém-lançado modelo elétrico XC40 Recharge.

As montadoras, sob pressão para mostrar que as baterias de veículos elétricos são fornecidas com responsabilidade, estão explorando os usos do blockchain para melhorar o monitoramento das cadeias de fornecimento e mostrar que as fontes não vieram de locais marcados por conflitos ou trabalho infantil.

“Com a tecnologia blockchain, podemos dar o próximo passo para garantir o monitoramento completo de nossa cadeia de fornecimento e minimizar os riscos relacionados, em estreita colaboração com nossos fornecedores”, afirmou Martina Buchhauser, chefe de aquisições da Volvo Cars, em comunicado.

O cobalto está em alta demanda, pois é um mineral essencial para a fabricação de baterias de íon de lítio, mas a administração dele é particularmente desafiadora, pois a maioria do fornecimento vem da República Democrática do Congo.

Os dados cobertos pelo blockchain incluem origem, tamanho e peso do cobalto, bem como a cadeia de custódia e informações que estabelecem que os participantes da rede de fornecimento apresentaram comportamento consistente com as diretrizes da OCDE, afirmou a Volvo.

A montadora inicialmente se concentrou principalmente em garantir uma cadeia de fornecimento e transparente responsável para cobalto, bem como estanho, tungstênio, tântalo e ouro até 2020, mas planeja aplicar o monitoramento de blockchain a materiais importantes como lítio e níquel no futuro.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).