Amazon culpa Trump por perder para Microsoft contrato de US$ 10 bi do Pentágono

ReutersConnect/Pascal Rossignol
ReutersConnect/Pascal Rossignol

Segundo a Amazon, a intervenção do presidente note-americano tornou a escolha do vencedor injusta

A Amazon acusou hoje (9) o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de exercer uma “pressão imprópria” e um preconceito que levaram o Departamento de Defesa dos EUA a conceder um contrato de US$ 10 bilhões para a rival Microsoft.

LEIA MAIS: Amazon abre processo para contestar contrato de US$ 10 bi do Pentágono com a Microsoft

Em um processo que pede a revisão da licitação, a Amazon afirma que Trump lançou “repetidos ataques públicos e nos bastidores para” que o contrato de computação em nuvem do Pentágono, chamado Joint Enterprise Defense Infrastructure, popularmente conhecido como JEDI, não fosse vencido pela Amazon Web Services.

A acusação afirma que o motivo de Trump foi “prejudicar seu inimigo político – Jeffrey P. Bezos, fundador e presidente-executivo da Amazon … e proprietário do ‘Washington Post'”.

A interferência de Trump tornou impossível para o Pentágono escolher um vencedor “de maneira razoável e consistente, de maneira justa e igual”, afirmou a Amazon.

Há muito que Trump critica Bezos e a Amazon, afirmando que a empresa paga poucos impostos. O presidente norte-americano também acusou o “Washington Post” de atuar como lobista de Bezos e da Amazon e de espalhar notícias falsas.

LEIA TAMBÉM: Por que a Amazon investe mais em pesquisa do que outras gigantes

Representante da Amazon e do Departamento de Defesa dos EUA não responderam imediatamente a pedidos de comentários.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).