China quer retirada de tarifas dos EUA na 1ª fase de acordo

Kevin-Lamarque_Reuters
Inicialmente, esperava-se que um acordo fosse concretizado até o fim de novembro

A principal prioridade de Pequim na primeira fase de qualquer acordo com os Estados Unidos é a retirada de tarifas existentes em bens chineses, disse o jornal chinês Global Times, hoje (01), em meio a incertezas em relação à capacidade dos dois lados de chegarem a um acordo.

“Fontes com conhecimento direto das discussões comerciais disseram ao Global Times, no sábado, que os EUA precisam remover tarifas existentes, não tarifas planejadas, como parte do acordo”, disse a reportagem.

O Global Times, publicado pelo jornal oficial Diário do Povo, do governista Partido Comunista, também citou outra fonte não identificada próxima às conversas dizendo que oficiais dos EUA têm resistido a essa exigência porque as tarifas são a única arma que possuem na guerra comercial, e abrir mão dessa arma significaria “rendição”.

Na terça-feira, o presidente americano Donald Trump disse que Washington estava próximo de acordo que busca desarmar uma guerra comercial de 16 meses com a China, alguns dias depois de o presidente chinês Xi Jinping expressar seu desejo de chegar a um acordo.

LEIA MAIS: Atividade fabril da China retorna inesperadamente ao crescimento em novembro

Principais negociadores dos dois países reuniram-se novamente e concordaram em continuar trabalhando nas questões remanescentes.

No entanto, especialistas em comércio e pessoas próximas à Casa Branca disseram à Reuters, no mês passado, que a assinatura da primeira fase de um acordo pode não acontecer antes do ano novo, pois a China pressiona por recuos maiores de tarifas.

Inicialmente, esperava-se que um acordo fosse concretizado até o fim de novembro.

O presidente do Comitê de Finanças do Senado, Chuck Grassley, afirmou a repórteres, na terça-feira, que a China convidou o representante comercial dos EUA, Robert Lighthizer, e o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, para conversas em Pequim.

Grassley disse que Lightizer e Mnuchin estavam dispostos a ir se vissem “uma chance real de chegar a um acordo final”.

Uma fonte com conhecimento das conversas comerciais também disse à Reuters que oficiais americanos poderiam viajar à China depois do feriado de Ação de Graças nos Estados Unidos, celebrado na última quinta-feira.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).