Preços do petróleo cravam maior alta anual desde 2016

Reuters/Christian Hartmann
O avanço nas negociações comerciais EUA-China foi um dos principais responsáveis pelo resultado

Os preços do petróleo caíram 1% hoje (31), último dia de negociação da década, mas tiveram o maior ganho anual em três anos, apoiado por um degelo na prolongada guerra comercial EUA-China e cortes contínuos no fornecimento de petróleo por produtores.

LEIA MAIS: Não há escolha a não ser investir em petróleo, diz CEO da Shell

O Brent ganhou cerca de 23% em 2019, e o WTI aumentou 34%, maiores ganhos anuais em três anos, apoiados pelos recentes avanço nas negociações comerciais EUA-China e cortes de produção prometidos pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e seus aliados.

Analistas não esperam que os preços do petróleo se movam acentuadamente para qualquer direção no próximo ano. O petróleo Brent deve pairar em cerca de 63 por barril, mostrou uma pesquisa da Reuters nesta terça-feira, modestamente abaixo dos patamares atuais, com os cortes de produção da Opep compensando a demanda mais fraca.

“Os preços do petróleo… enfrentam ventos contrários de um contido impulso ao crescimento global e de robusto níveis de produção de xisto dos EUA no primeiro trimestre (de 2020)”, afirmou Benjamin Lu, analista da Phillip Futures.

A produção de petróleo bruto dos EUA em outubro atingiu um recorde de 12,66 milhões de barris por dia (bpd), ante 12,48 milhões revisados em setembro, informou o governo dos EUA em um relatório mensal.

LEIA TAMBÉM: Leilão de petróleo no país arrecada recorde de R$ 8,9 bi, diz ANP

O ritmo de crescimento deve desacelerar em 2020.

O petróleo Brent caiu 1%, ficando em US$ 66,00 por barril. O WTI caiu 1%, para US$ 61,06 por barril.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).