Impactos econômicos do vírus podem desaparecer rapidamente após resolução da crise de saúde, diz Bostic, do Fed

Jonathan Crosby/Reuters
Bostic afirmou que a crise atual é bem diferente de qualquer crise que tivemos no passado

A economia dos Estados Unidos deve poder se recuperar rapidamente depois que a crise de saúde devido ao coronavírus tiver desaparecido, desde que empresas e famílias tenham acesso ao dinheiro ou crédito necessários para fornecer uma “ponte” a esse ponto, disse Raphael Bostic, presidente do Federal Reserve de Atlanta, hoje (30).

“Isso é bem diferente de qualquer crise que tivemos no passado. Este é, antes de tudo, um desafio a nosso sistema de saúde pública”, afirmou Bostic.

LEIA MAIS: Fed adota novas medidas agressivas para combater impacto do coronavírus sobre economia

“Toda a trajetória será potencialmente diferente de tudo que já vimos antes… As tensões que o vírus e os desafios à saúde pública estão apresentando à economia não são necessariamente aqueles que potencialmente durarão se conseguirmos superar a crise.”

Estudo do Fed diz que incerteza vai exacerbar o impacto econômico do vírus

O aumento da incerteza que tem acompanhado a disseminação do coronavírus e os esforços para contê-lo provavelmente contribuirão para um aumento do desemprego nos Estados Unidos e um declínio na inflação, disseram pesquisadoras do Federal Reserve de São Francisco hoje.

Além de causar doenças e morte, o vírus tem pesado bastante sobre a economia, à medida que as atividades comerciais são reduzidas e as pessoas praticam distanciamento social. Os efeitos econômicos têm sido exacerbados pela incerteza sobre a trajetória do vírus e por quanto tempo a economia ficará fechada.

Historicamente, “períodos de maior incerteza são seguidos por aumentos persistentes na taxa de desemprego e declínios prolongados na inflação, apesar da queda nas taxas de juros”, afirmaram Sylvain Leduc, chefe de pesquisa do Fed de São Francisco, e o economista Zheng Liu, no último relatório econômico do banco regional.

“Ao aumentar a incerteza, o coronavírus afeta a economia de maneira semelhante ao declínio na demanda agregada”.

O Índice de Volatilidade Cboe, um indicador do medo e da incerteza nos mercados financeiros, atingiu um recorde de alta no início deste mês e ainda está bem acima dos níveis normais.

VEJA TAMBÉM: Fed abre linhas de swap em dólar com 9 BCs, prevê até US$ 60 bilhões para Brasil

Só essa elevada incerteza – devido, em parte, à falta de clareza de quanto tempo e quão bem o vírus será contido – poderia adicionar 1 ponto percentual à taxa de desemprego ao longo dos próximos 12 meses e subtrair até 2 pontos percentuais da inflação nos próximos seis meses, estimaram os pesquisadores.

O Fed tinha se esforçado para alcançar sua meta de inflação, de 2%, mesmo quando o desemprego estava próximo da mínima em 50 anos, persistentemente aquém de sua meta.

A decisão do Fed neste mês de reduzir a taxa de juros para quase zero deve auxiliar a amortecer o impacto da incerteza na atividade econômica. No entanto, espera-se que o vírus tenha um impacto profundo e prolongado na atividade econômica, disseram os pesquisadores.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).