Trump quer enviar cheques de US$ 1.000 a norte-americanos para frear impacto econômico do coronavírus

ReutersConnect/Jonathan Ernst
ReutersConnect/Jonathan Ernst

Donald Trump afirmou que os desafios de curto prazo com o surto de coronavírus devem ser grandes, mas a economia dos EUA deve se recuperar

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou hoje (17) um plano para enviar dinheiro aos norte-americanos imediatamente para aliviar o choque econômico da crise do coronavírus, e disse que hospitais de estilo militar provavelmente serão implantados em epicentros da doença para atender pacientes.

O secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, junto a Trump na sala de imprensa da Casa Branca, disse que está conversando com líderes do Congresso sobre um plano de enviar cheques imediatamente para os norte-americanos deslocados. Trump disse que algumas pessoas devem receber até US$ 1.000.

LEIA MAIS: 20 pessoas mais ricas do mundo perdem quase US$ 300 bilhões em um mês com coronavírus

Lutando para controlar um vírus imprevisível que afetou os norte-americanos em todas as esferas da vida, Trump previu que o desafio econômico será difícil a curto prazo, mas que a economia acabará se recuperando.

“Vamos vencer e acho que vamos vencer mais rápido do que as pessoas pensam, espero”, disse Trump, cercado pelos principais conselheiros da crise do coronavírus.

O vice-presidente Mike Pence disse que o governo está pedindo às empresas de construção que doem máscaras faciais N95 para hospitais locais e não comprem mais para ajudar os médicos.

Pence disse que o Corpo de Engenheiros do Exército pode implantar hospitais de campo rapidamente para ajudar a lidar com o fluxo de pacientes com vírus. Trump disse que está procurando locais onde eles podem ser necessários.

Ontem (16), Trump pediu aos norte-americanos que trabalhem diligentemente por 15 dias para tentar retardar a propagação do vírus, evitando multidões e ficando em casa a maior parte do tempo.

“Estamos pedindo à geração mais velha que fique em casa… Estamos pedindo à geração mais nova que pare de sair”, disse Deborah Birx, consultora sobre o coronavírus de Trump.

LEIA TAMBÉM: Estados pedem medidas econômicas urgentes do governo federal contra coronavírus

A desaceleração abrupta interrompeu a indústria aérea dos EUA e outros setores econômicos, e deixou um número crescente de norte-americanos desempregados.

Com os mercados principalmente em tendência de queda, Mnuchin disse que as bolsas de valores dos EUA devem permanecer abertas para garantir aos norte-americanos que eles possam acessar seu dinheiro.

“Todos querem manter os mercados abertos. Podemos chegar a um ponto em que reduziremos as horas, se isso é algo que eles precisam fazer, mas os norte-americanos devem saber que faremos tudo para garantir que eles tenham acesso ao seu dinheiro em seus bancos, ao dinheiro de seu plano de Previdência e ao dinheiro em ações”, disse Mnuchin.

E TAMBÉM: Governo antecipa para maio segunda parcela do 13º de aposentados e pensionistas

Trump pediu aos norte-americanos que não viajem e disse que não descartou restrições de viagens a partes do país. Ele disse aos norte-americanos que simplesmente “desfrutem da sala de estar”.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).