Aplicativo de monitoramento voluntário de coronavírus é baixado por 1,5 milhão de israelenses

Nir Elias/Reuters
O aplicativo “HaMagen” já foi baixado por cerca de 1,5 milhão de israelenses

Cerca de 1,5 milhão de israelenses baixaram um aplicativo na semana passada que alerta usuários que cruzarem com um paciente com coronavírus, segundo o Ministério da Saúde, ajudando a melhorar o rastreamento da pandemia.

O aplicativo “HaMagen” – hebraico para The Shield – está despertando interesse do exterior com abordagens da Alemanha, Itália, Reino Unido, Austrália e Chile até agora, disse o vice-diretor geral do ministério, Morris Dorfman, hoje (1).

LEIA MAIS: Dois milhões de cobaias, e esse número só cresce: a notável ascensão do automonitoramento em tempos de coronavírus

Sob uma iniciativa do ministério, os desenvolvedores criaram o aplicativo usando ferramentas de código aberto para que ele possa ser implantado rapidamente em outros países sem nenhum custo, disse ele à Reuters.

“A pergunta mais feita a nós não é sobre a tecnologia”, disse ele. “É se as pessoas fazem o download voluntariamente do aplicativo – como você pode convencer as pessoas a fazer isso?”

Os dados pessoais e de localização dos usuários permanecem em seus telefones e não estão disponíveis para outras pessoas; portanto, os desenvolvedores do aplicativo não podem rastrear indivíduos sem seu conhecimento.

O aplicativo permite que os usuários decidam se devem relatar sua exposição ao coronavírus ao ministério.

Na primeira semana, 50 mil usuários do aplicativo relataram que entraram em autoisolamento.

Além de hebraico, o aplicativo está disponível em inglês, francês, árabe e russo.

VEJA TAMBÉM: “Receita para o desastre”: Bill Gates pede isolamento estrito para combater coronavírus nos EUA

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu ordenou separadamente à agência de segurança interna Shin Bet que monitore celulares de possíveis portadores do vírus, uma ação que se tornou alvo de protestos de grupos de direitos civis.

Dorfman disse que a vigilância do governo ainda é necessária porque, uma vez que alguém testa positivo para o vírus, as autoridades devem agir rapidamente para encontrar aqueles que tiveram contato com essa pessoa. Embora 17% da população tenha baixado o aplicativo, isso não foi suficiente.

“Precisamos garantir que todos os israelenses tenham o aplicativo”, disse ele. Depois do feriado da Páscoa, o governo planeja começar gradualmente a deixar as pessoas voltarem ao trabalho e seria importante que todos tenham o aplicativo na época, disse ele.

O HaMagen é uma das cerca de 100 tecnologias israelenses implantadas contra o coronavírus, de acordo com a organização não governamental Start-Up Nation Central. Israel registrou 5.591 casos de coronavírus e 21 mortes.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).