Ibovespa fecha em queda sem alívio nos temores sobre reflexos da Covid-19

ReutersConnect/Amanda Perobelli
Os efeitos negativos da Covid-19 na economia global refletiram, mais uma vez, em uma semana de queda da Ibovespa

A bolsa paulista fechou com o Ibovespa em forte queda hoje (3), uma vez que o ritmo de contágio da Covid-19 não mostra alívio no mundo, adiando também perspectivas de melhora no ambiente econômico global.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa recuou 3,76%, a 69.537 pontos. Na mínima da sessão, chegou a 67.802,47 pontos. O volume financeiro somou R$ 21,9 bilhões.

LEIA MAIS: Investidor do Qatar compra hotel Ritz de Londres em meio a crise do coronavírus

Após a trégua na semana passada, o Ibovespa acumulou um declínio semanal de 5,3%. No ano, a perda alcança quase 40%.

No mundo, os casos do novo coronavírus já ultrapassaram 1 milhão, enquanto o número de mortes supera 50 mil.

Apenas nos EUA, novo epicentro da pandemia, o Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) reportou nesta sexta-feira 239.279 casos, alta de 26.135 em relação à contagem anterior. O número de mortes aumentou em 930, para 5.443.

Números do mercado de trabalho norte-americano também escancararam ainda mais os efeitos nocivos do vírus na economia, com o fechamento de 701 mil vagas de trabalho no mês passado, enquanto a taxa de desemprego passou de 3,5% a 4,4%.

Em Wall Street, o S&P 500 fechou em baixa de 1,5%.

“As expectativas à frente para a economia norte-americana são semelhantes ao restante do mundo: a retomada depende de um choque positivo de confiança para voltarem a um dia a dia normal”, citou Felipe Sichel, estrategista-chefe do modalmais.

LEIA TAMBÉM: Bolsonaro diz que país não aguenta três meses parado

Ele ressaltou que esse choque depende de avanços médicos consistentes, mas uma vez que ocorra a retomada pode ser confirmada em velocidade acelerada. “Por ora, não estamos neste momento ainda”, ponderou.

Pesquisa Reuters com mais de 50 economistas na América do Norte, Europa e Ásia sugere que a recessão global será mais profunda do que se pensava há algumas semanas, embora a maior parte aguarde um recuperação rápida.

Agentes financeiros também têm discutido sobre como uma recuperação da economia global acontecerá, se em U, L, V ou W.

Para o gestor Sérgio Machado, sócio na Trópico Investimentos, contudo, é precipitada uma discussão sobre o “abecedário” de como será a retomada das economias, sendo necessária uma visão pragmática do processo.

Na visão de Machado, a crise que o mundo está passando é a da correção da injeção maciça de recursos pelos BCs na tentativa de adiar a implantação das medidas duras e necessárias para a real solução dos problemas que vêm desde 2000.

E TAMBÉM: Pintura de Van Gogh é roubada de museu holandês durante quarentena

“A conta chegou, com o indutor do processo sendo a pandemia que assola o mundo”, afirmou em sua conta no Twitter.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).