QuintoAndar demite 8% por conta da Covid-19

getty
getty

Antes da crise, a empresa tinha, aproximadamente, 1,1 mil pessoas

A onda de demissões nas startups brasileiras por conta da coronavírus atingiu ontem o QuintoAndar. A empresa de aluguel de residências demitiu cerca de 8% de seus funcionários – antes da crise, a empresa tinha, aproximadamente, 1,1 mil pessoas. Ao jornal “ O Estado de S. Paulo”, a companhia confirmou que as demissões atingiram todas as áreas, além de afirmar que houve remanejamento de pessoal para evitar mais cortes.

“O QuintoAndar decidiu adaptar sua operação ao novo contexto de mercado, que resultou na redução dos volumes projetados de demanda por aluguel e venda de imóveis residenciais. O ajuste reforça a capacidade da empresa de cumprir seus compromissos atuais e futuros, dos quais dependem milhares de clientes e centenas de colaboradores”, afirmou a startup, em nota.

VEJA MAIS: Não haverá demissão em massa, diz presidente da Petrobras

Nos últimos anos, um dos motivos que fizeram a startup ganhar espaço no mercado foi a garantia de pagamento aos proprietários, mesmo que o inquilino atrasasse o aluguel. Agora, com a queda das atividades econômicas em diversos setores, é bastante possível que a inadimplência aumente.

Fundada em 2012 por Gabriel Braga e André Penha, a startup se tornou um unicórnio (startup avaliada em pelo menos US$ 1 bilhão) em meados de 2019. No ano passado, saltou de 350 para 1,1 mil funcionários.

Em janeiro de 2020, a empresa revelou ao mesmo jornal que estava assinando 5 mil contratos de aluguel por mês e contabilizava R$ 28,9 bilhões em imóveis administrados por meio de sua plataforma. (Com Agência Estado)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).