SpaceX proíbe uso do Zoom por preocupações de privacidade e segurança

Albert Gea/Reuters
Albert Gea/Reuters

Autoridades dos Estados Unidos alertarem os usuários sobre a segurança do popular aplicativo

A SpaceX, empresa de foguetes de Elon Musk, proibiu seus funcionários de usar o aplicativo de videoconferência Zoom, citando “preocupações significativas de privacidade e segurança“, de acordo com um memorando visto pela Reuters, dias após autoridades dos Estados Unidos alertarem os usuários sobre a segurança do popular aplicativo.

O uso do aplicativo da Zoom e outras comunicações digitais disparou, já que muitos norte-americanos receberam ordens de ficar em casa para diminuir a propagação do coronavírus.

LEIA MAIS: Zoom toma liderança de Microsoft Teams, enquanto pandemia mantém pessoas em casa

A proibição da Zoom Video Communications pela SpaceX ilustra os crescentes desafios que os fabricantes aeroespaciais enfrentam à medida que desenvolvem tecnologia considerada vital para a segurança nacional, enquanto tentam manter os funcionários a salvo da pandemia de Covid-19.

Em um e-mail de 28 de março, a SpaceX disse aos funcionários que todo o acesso ao Zoom havia sido desativado com efeito imediato.

“Entendemos que muitos de nós estávamos usando essa ferramenta para conferências e reuniões de suporte”, afirmou a SpaceX na mensagem. “Por favor, use e-mail, mensagens de texto ou telefone como meio alternativo de comunicação.”

Duas pessoas familiarizadas com o assunto confirmaram o conteúdo do e-mail.

Um representante da SpaceX, que tem mais de seis mil funcionários, não respondeu a uma solicitação de comentário.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).