13 equipes de eSports mais valiosas do mundo em 2019

Reprodução
Cloud9 e Team SoloMid empatam na liderança, avaliadas em US$ 400 milhões cada

Resumo:

  • A indústria global de eSports pode faturar US$ 1,1 bilhão em 2019 graças aos seus 453,8 milhões de espectadores;
  • “Call of Duty”, “Counter Strike, “Fortnite”, “League of Legends”, “Overwatch” e “Rainbow Six” são alguns dos principais games do mercado;
  • Integram a lista as equipes OverActive Media, Misfits Gaming, NRG Esports, 100 Thieves, G2 Esports, Envy Gaming, Fnatic, Gen.G, Immortals Gamming Club, FaZe Clan, Team Liquid e Team Solomid;
  • Juntas, as equipes valem US$ 2,815 bilhões.

O mercado mundial de eSports tem expectativa de faturar US$ 1,1 bilhão em 2019, graças ao acompanhamento de 453,8 milhões de pessoas, segundo dados do site analítico “Newzoo”. Tanto potencial chama a atenção de instituições e marcas poderosas. No mês passado, a equipe de “Call of Duty” da Atlanta Esports Ventures, o Atlanta FaZe, fechou patrocínios e acordos com empresas como Nissan e Gfuel. No Brasil, os times da paiN Gaming contam com patrocínio da BMW e da Coca-Cola.

LEIA MAIS: Carreiras nos eSports: conheça 7 caminhos profissionais no setor

As parcerias da FaZe foram as primeiras da organização, que patrocina individualmente mais de 40 jogadores profissionais em seis videogames diferentes, em nove anos. A FaZe Clan é avaliada em US$ 240 milhões, ocupando o 4º lugar no segundo ranking anual da FORBES das equipes de eSports mais valiosas.

“Eu não negociaria com mais ninguém nesta lista”, diz Lee Trink, coproprietário e CEO do FaZe Clan. O motivo da arrogância está no público, que tem expectativa de aumentar em pelo menos 190 milhões em três anos. O fã médio, de acordo com a Nielsen, é um homem millennial, com ganhos de quase US$ 5,8 mil por mês e que prefere plataformas de streaming como Twitch, YouTube e Mixer em vez da televisão. Os direitos de patrocínio, publicidade e mídia quase dobraram desde 2017, atingindo US$ 897 milhões.

Ao todo, a receita global de esportes eletrônicos – US$ 1,1 bilhão em 2019 – representa um aumento de 27% em relação a 2018, com a América do Norte sendo responsável por 40% do bolo. A lista da FORBES conta, agora, com 13 empresas que valem mais de US$ 100 milhões cada uma, com a avaliação média atingindo US$ 217 milhões, um aumento de 52% em relação ao ano passado.

VEJA TAMBÉM: 5 formas de sua empresa embarcar no mundo dos games

Ainda assim, o bilionário Mark Cuban, proprietário do Dallas Mavericks da NBA, diz que ter uma equipe de eSports nos EUA é “um negócio horrível”. Ele odeia as mudanças frequentes que os desenvolvedores fazem nos jogos, diz que os valores estão em declínio e questiona o mercado norte-americano em comparação ao da Ásia. Cuban possui uma equipe de eSports na NBA 2K League, embora diga que não há taxa de franquia e que os custos estão definidos. Ele tem, ainda, investimentos em um negócio de apostas em esportes eletrônicos.

Os fanáticos não estão dando ouvidos ao ceticismo de Cuban. A Envy Gaming levantou US$ 20 milhões em janeiro, de acordo com o “Crunchbase”, e agora é dona do Dallas Fuel e do Dallas Empire da Overwatch League, que competirá na nova liga dos 12 times de “Call of Duty”, que deve começar a ser disputada em 2020. O time da Gen.G levantou US$ 46 milhões em abril, a maior rodada entre as equipes da lista da FORBES, de acordo com o “Pitchbook”, com investidores que incluem o ator Will Smith e Dennis Wong, proprietário minoritário do Los Angeles Clippers.

“Na verdade, estávamos com excesso de assinaturas e tivemos que reavaliar os parceiros certos para nós”, diz Chris Park, CEO da Gen.G. “Mas pensamos que era importante ter um forte porto seguro para investir em oportunidades interessantes.”

E, por enquanto, não faltam oportunidades. Como um contrato de longo prazo que ele firmou com a NBA para lançar um time da NBA 2K League em Xangai, o primeiro time fora da América do Norte e o primeiro a não ser filiado a um time da NBA.

“Temos algo que mais pessoas nos EUA – fãs mais jovens, particularmente – estão assistindo e participando além dos esportes tradicionais que muitos de nós conhecemos por toda a vida”, diz Ken Hersh, presidente da Envy e proprietário minoritário do Texas Rangers da MLB.

Embora o segmento pareça estar ainda no começo, títulos como “Call of Duty” e “Counter Strike” já celebram 20 anos e “League of Legends” completou seu décimo aniversário (com diversos anúncios pela Riot Games).

LEIA AQUI: Onde estudar para se tornar um profissional dos games

O ranking leva em conta a receita prevista para 2019 com base em entrevistas com executivos e investidores das empresas. Isso inclui valores de patrocínio, participação nas receitas da liga, vendas de produtos, recursos vindos de eventos e prêmios. As partes das premiações destinadas aos jogadores foram excluídas. As fontes também incluem analistas e patrocinadores do setor. Três equipes classificadas no ano passado caíram fora, incluindo a Infinite Esports, comprada pela Immortals Gaming Club, e a Echo Fox, que foi desfeita após denúncias envolvendo discurso de ódio e ordens de restrição.

Veja, na galeria abaixo, as 13 equipes de eSports mais valiosas de 2019:

  • #12 OverActive Media – US$ 120 milhões (empate)
    Aumento desde 2018: Não aparece no ranking anterior
    Receita estimada: US$ 5 milhões
    Times em campeonatos de franquias: League of Legends European Championship (LEC) – Splyce, Overwatch (OWL) – Toronto Defiant, Call of Duty (CDL) – Toronto Ultra
    Times em campeonatos de não-franquias: Fortnite, Smite, StarCraft II

  • #13 Misfist Gaming – US$ 120 milhões (empate)
    Aumento desde 2018: Não aparece no ranking anterior
    Receita estimada: US$ 8 milhões
    Times em campeonatos de franquias: LEC – Misfits Gaming, OWL – Florida Mayhem, CDL – Florida Mutineers
    Times em campeonatos de não-franquias: Fortnite, Marvel vs. Capcom, Clash Royale

  • #11 NRG Esports – US$ 150 milhões
    Aumento desde 2018: Não aparece no ranking anterior
    Receita estimada: US$ 20 milhões
    Times em campeonatos de franquias: OWL – San Francisco Shock, CDL – Chicago Huntsmen
    Times em campeonatos de não-franquias: Fortnite, Rocket League, Clash Royale, Smash, Apex, Gears of War, Dragon Ball FighterZ

  • #10 100 Thieves – US$ 160 milhões
    Aumento desde 2018: US$ 70 milhões
    Receita estimada: US$ 10 milhões
    Times em campeonatos de franquias: League of Legends Championship Series (LCS) – 100 Thieves
    Times em campeonatos de não-franquias: Counter-Strike e Fortnite

  • #9 G2 Esports – US$ 165 milhões
    Aumento desde 2018: US$ 60 milhões
    Receita estimada: US$ 22 milhões
    Times em campeonatos de franquias: LEC – G2
    Times em campeonatos de não-franquias: CS:GO, Rainbow Six, Rocket League, PUBG, Apex, Fortnite, Hearthstone, Sim Racing

  • #8 Envy Gaming – US$ 170 milhões
    Aumento desde 2018: US$ 75 milhões
    Receita estimada: US$ 8 milhões
    Times em campeonatos de franquias: OWL – Dallas Fuel, CDL – Dallas Empire
    Times em campeonatos de não-franquias: Overwatch Contenders, CS:GO, Fortnite, PUBG, Paladins, Super Smash Bros

  • #7 Fnatic – US$ 175 milhões
    Aumento desde 2018: US$ 55 milhões
    Receita estimada: US$ 16 milhões
    Times em campeonatos de franquias: LEC – Fnatic
    Times em campeonatos de não-franquias: CS:GO, Dota 2, Fortnite, Rainbow Six, Apex, Clash Royale, Rules of Survival, Street Fighter V

  • #6 Gen.G – US$ 185 milhões
    Aumento desde 2018: US$ 75 milhões
    Receita estimada: US$ 9 milhões
    Times em campeonatos de franquias: League of Legends Champions Korea- Gen.G, OWL – Seoul Dynasty, NBA 2KL -Shanghai
    Times em campeonatos de não-franquias: Overwatch Contenders, Fortnite (Team Bumble), PUBG, Apex Legends, Clash Royale

  • #5 Immortals Gaming Club – US$ 210 milhões
    Aumento desde 2018: US$ 110 milhões
    Receita estimada: US$ 11 milhões
    Times em campeonatos de franquias: LCS – Immortals, OWL – Los Angeles Valiant, CDL – OpTic Gaming Los Angeles
    Times em campeonatos de não-franquias: Clash Royale (Immortals), CS:GO (MIBR), Rainbow Six (MIBR)

  • #4 FaZe Clan – US$ 240 milhões
    Aumento desde 2018: Não aparece no ranking anterior
    Receita estimada: US$ 35 milhões
    Times em campeonatos de franquias: Nenhum
    Times em campeonatos de não-franquias: CS:GO, PUBG, Call of Duty, Fortnite, Rainbow Six Siege, FIFA

  • #3 Team Liquid – US$ 320 milhões
    Aumento desde 2018: US$ 120 milhões
    Receita estimada: US$ 24 milhões
    Times em campeonatos de franquias: LCS Team Liquid
    Times em campeonatos de não-franquias: CS:GO, Dota 2, StarCraft2, Fortnite, Rainbow Six Siege, Clash Royale, PUBG, Apex, Hearthstone, Smash Melee, Smash Ultimate, Street Fighter V, Tekken, Quake, Team Fight Tactics

  • #2 Team SoloMid – US$ 400 milhões (empate)
    Aumento desde 2018: US$ 150 milhões
    Receita estimada: US$ 35 milhões
    Times em campeonatos de franquias: LCS – Team Solomid
    Times em campeonatos de não-franquias: League of Legends Academy, PUBG, Fortnite, Hearthstone, Smash, Overwatch, Rocket League, Apex Legends, Magic: The Gathering, Rainbow Six Siege, Teamfight Tactics

  • #1 Cloud9 – US$ 400 milhões (empate)
    Aumento desde 2018: US$ 90 milhões
    Receita estimada: US$ 29 milhões
    Times em campeonatos de franquias: LCS – Cloud9, Overwatch – London Spitfire
    Times em campeonatos de não-franquias: CS:GO, Fortnite, Hearthstone, PUBG, Rainbow Six, Rocket League, Super Smash Bros, Teamfight Tactics, WoW

#12 OverActive Media – US$ 120 milhões (empate)
Aumento desde 2018: Não aparece no ranking anterior
Receita estimada: US$ 5 milhões
Times em campeonatos de franquias: League of Legends European Championship (LEC) – Splyce, Overwatch (OWL) – Toronto Defiant, Call of Duty (CDL) – Toronto Ultra
Times em campeonatos de não-franquias: Fortnite, Smite, StarCraft II

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).