Secretário da Unasul questiona julgamento político de Dilma

Ernesto Samper disse que a decisão do Senado não tem justificativa e abre "questões preocupantes" sobre o Estado de Direito

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Getty Images

Getty Images

Acessibilidade


O secretário do bloco sul-americano Unasul questionou nesta quinta-feira a suspensão da presidente afastada Dilma Rousseff para enfrentar um julgamento político e advertiu que o processo provoca turbulências que afetam a região.

VEJA TAMBÉM: É golpe ou não é? Como o mundo vê o impeachment de Dilma

Ernesto Samper esclareceu que, por enquanto, nenhum dos membros da União de Nações Sul-Americanas solicitou uma reunião para discutir a situação no Brasil e disse que a decisão do Senado não tem justificativa e abre “questões preocupantes” sobre o Estado de Direito.

“Observamos com grande preocupação a presença e existência na América Latina em geral de fatores políticos que estão fazendo política sem responsabilidade política e que de alguma forma estão comprometendo a governabilidade democrática da região de uma maneira perigosa”, disse a jornalistas.

As declarações do secretário, feitas na sede da Unasul em Quito, ocorrem após a decisão do Senado de abrir um processo de impeachment contra Dilma por crime de responsabilidade. Durante o processo, que pode durar até 180 dias, o vice-presidente Michel Temer assume o governo interinamente.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

E MAIS: Moody’s alerta que afastamento de Dilma não acaba com incerteza política

Samper, ex-presidente da Colômbia, solicitou que se garanta o direito de defesa de Dilma e que ela seja julgada de acordo com as regras e garantias “que correspondam a qualquer julgamento em um Estado democrático”.

“Não é nenhum mistério o peso que o Brasil tem na região, e estas circunstâncias de instabilidade que tem vivido e pode se aprofundar com a decisão tomada (pelo Senado)… de maneira perigosa para a região”, acrescentou.

Compartilhe esta publicação: