Capitalização da Eletrobras pode ser ainda em 2019

CEO da elétrica, Wilson Ferreira Jr., diz que espera “surpreender”.

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
Reuters
Reuters

CEO da elétrica, Wilson Ferreira Jr., diz que espera “surpreender”

Acessibilidade


O esperado processo de capitalização da Eletrobras pode “surpreender” e ser realizado ainda neste ano, disse à Reuters hoje (22) o presidente da companhia, Wilson Ferreira Jr., após ele mesmo e membros do governo terem apontado que a operação deve ficar para 2020.

LEIA MAIS: Eletrobras: demissões para poupar R$ 574 mi ao ano

A capitalização da elétrica, um projeto que surgiu ainda no governo de Temer, tem sido uma das bandeiras do Ministério de Minas e Energia na administração Jair Bolsonaro, mas a pasta ainda não definiu detalhes sobre o modelo da transação.

“Estamos trabalhando para criar os caminhos para a capitalização. Estou trabalhando para fazer esse ano. Espero surpreender”, disse Ferreira.

O executivo havia afirmado mais cedo neste mês, durante evento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que a operação possivelmente aconteceria no início de 2020, cronograma posteriormente confirmado pela secretária-executiva do Ministério de Minas e Energia, Marisete Pereira, em entrevista à “Folha de S. Paulo”.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Mas o ministro da pasta, almirante Bento Albuquerque, disse ontem (21) que ainda há chances de a capitalização ocorrer em 2019, apesar de o governo estar focado em aprovar antes a reforma da Previdência.

Ferreira disse que tem conversado com o governo e trabalhado exaustivamente na formatação de um modelo de capitalização que viabilize o negócio ainda neste ano. Ele também admitiu que a proposta para a transação pode sofrer ajustes em relação ao projeto original do governo Temer.

VEJA TAMBÉM: Eletrobras abrirá nova fase em programa de demissões

No projeto de Temer, a capitalização por meio da emissão de novas ações diluiria a participação do governo na empresa para uma posição minoritária, configurando na prática uma desestatização da elétrica.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Forbes no Facebook: http://fb.com/forbesbrasil
Forbes no Twitter: http://twitter.com/forbesbr
Forbes no Instagram: http://instagram.com/forbesbr

Compartilhe esta publicação: