Votorantim Cimentos vai investir R$ 200 mi no Ceará

Objetivo é ampliar a capacidade de sua fábrica no estado

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
Getty Images

A ampliação da fábrica permitirá à Votorantim Cimentos aumentar eficiência e distribuição de produtos

Acessibilidade


A Votorantim Cimentos investirá R$ 200 milhões para ampliar a capacidade de sua fábrica em Pecém, no Ceará, de 200 mil toneladas por ano para 1 milhão de toneladas, informou o governo cearense hoje (6).

LEIA MAIS: Votorantim Cimentos compra United Materials

As obras devem começar neste semestre. A ampliação da fábrica permitirá à Votorantim Cimentos aumentar eficiência e distribuição de produtos, melhorando o tempo de entrega aos clientes, informou o governo do Ceará em comunicado à imprensa.

O anúncio foi feito depois que a Votorantim Cimentos anunciou em março a compra da produtora norte-americana de areia, pedra, brita e materiais de construção United Materials, ampliando aposta em expectativas de maiores investimentos em infraestrutura prometidos pelo governo de Donald Trump.

No ano passado, a Votorantim SA, que tem entre seus principais negócios a Votorantim Cimentos, teve lucro líquido de R$ 2 bilhões, alta de 141% em relação a 2017, apoiado pelos negócios do grupo em cimento e pela desvalorização do real. A receita subiu 19%.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

No Ceará, a Votorantim Cimentos opera o complexo industrial Sobral-Pecém. A fábrica de Pecém funciona desde 2008, produzindo cimento e argamassas. Inaugurada em 1968, a fábrica de Sobral possui duas linhas de cimento com a marca Poty, segundo o governo do Estado.

VEJA TAMBÉM: Votorantim Cimentos troca comando

“Somos hoje o Estado com o maior volume de investimentos públicos, proporcional à receita corrente líquida; mais que o dobro do país”, afirmou no comunicado o governador do Ceará, Camilo Santana.

Segundo a associação de fabricantes de cimento do Brasil, Snic, a venda do insumo no primeiro trimestre subiu 1,3% sobre o mesmo período do ano passado, em um movimento atribuído à reativação de algumas fábricas que estavam paradas há vários meses em meio à lentidão da economia.


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Compartilhe esta publicação: