Ações da Slack caem após empresa abrir capital

Drew Angerer / Getty Images
A Slack tem planos de expansão mesmo com seus números não muito favoráveis

Resumo:

  • O software Slack é um aplicativo de mensagens em grupo utilizado principalmente para fins profissionais;
  • Em junho, a empresa abriu seu capital, e desde então vem registrando queda em suas ações;
  • Em seu primeiro relatório trimestral, a Slack revelou números pouco animadores para seus investidores.

Em seu primeiro relatório trimestral publicado desde abriu seu capital em junho deste ano, o software e aplicativo de comunicação Slack anunciou notícias não muito animadoras para seus investidores. A empresa perdeu mais de US$ 350 milhões neste último trimestre, e suas ações caíram de oito a nove centavos cada. Wall Street calculava uma queda de sete centavos.

LEIA MAIS: H&M suspende compra de couro do Brasil devido a queimadas da Amazônia

Logo após a publicação desses números, as ações da empresa caíram mais de 15%. E elas já estavam em queda visível desde junho.

Mesmo assim, a Slack não está muito preocupada com o futuro. Ela vai bem comparada ao Uber, por exemplo, que perdeu US$ 5,2 bilhões no último trimestre. Além disso, a empresa também relatou que sua receita subiu para US$ 145 milhões -bons números se comparados ao resultado do ano passado, que foi de US$ 92 milhões. A audiência da Slack também vem crescendo, a companhia disse ter mas de 100 mil usuários pagantes atualmente, o que mostra um crescimento de 37% se comparado aos números do ano passado.

O valor máximo que as ações da Slack alcançaram foi US$ 42 no dia 20 de junho, quando a empresa abriu seu capital. Na semana passada, sua baixa foi de US$ 28,64. Apesar da adversidades, o relatório ainda prevê um aumento de 51% na receita da companhia até o fim do ano.

Em entrevista ao “The New York Times” publicada na quarta-feira (4), o chefe executivo da Slack, Stewart Butterfield, disse que as pessoas ainda precisam se acostumar com este tipo de plataforma. “As pessoas irão desenvolver um entendimento mais maduro.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).